Cidade do Panamá – Muito além de um canal

5

Ponte das Américas vista do Amador Causeway

Acordamos mega animados, era o nosso segundo dia e último dia no Panamá. No dia anterior havíamos visitado o canal do Panamá, o Casco Antiguo e terminado o dia jantando num restaurante gostoso no bairro Cangrejo. (Veja do primeiro dia no:  http://ideiasnamala.wordpress.com/2012/08/07/cidade-do-panama-muito-mais-do-que-uma-escala/.)

A verdade é que como o primeiro dia de Panamá superou e muito nossas expectativas. Estávamos curiosos para desvendar o que a cidade nos revelaria além do canal, só que não contávamos com uma chuva gelada e forte dessas que não dá vontade de encarar nem com guarda chuva e que acabou adiando o nosso plano algumas horas.
Pegamos um taxi na rua, o taxi já tinha uma passageira – para quem não sabe, taxi compartilhado no Panamá é super comum – mas assim que ela desceu a taxista super simpática começou a conversar com a gente e perguntar o que já tínhamos visitado na cidade, conversa vai conversa vem, decidimos desviar um pouco da nossa rota de chuva sentido shopping Center para passar no Cerro Alcón, um dos pontos mais altos e que tem uma belíssima vista para a cidade.


Parte moderna vista do alto do Cerro Alcón

Parte moderna vista do alto do Cerro Alcón

É no alto do Cerro Alcón que fica a enorme bandeira panamenha ( a bandeira  esticada tem o tamanho de uma quadra de basquete) que pode ser vista desde longe.

Este morro teve um papel importante na construção do Canal do Panamá, foi lá do alto mirante que boa parte da construção foi planejada e muitas rochas do Cerro foram usadas no Canal. A parte escavada do cerro é onde fica o atual escritório de administração do canal.

Canal e Porto vistos do alto do Cerro

Terminada a construção do canal, devido sua localização privilegiada e posição estratégica, o morro permaneceu sob domínio Norte Americano até 1999, quando junto ao canal foi entregue aos panamenhos. No alto do morro esta a placa comemorativa do tratado de 1979 entre Panamenhos e Americanos acordando a devolução do canal.
E mesmo com tanta história, eu nunca tinha ouvido falar desse lugar tão bacana que a taxista nos levou.
Apesar da chuva, que não nos deu um segundinho de trégua, foi bem bonito observar a parte moderna da cidade do lado esquerdo e o Casco Antiguo do lado direito, um mega contraste.


Ponte das Américas:  porta de entrada ou saída do canal do Panamá vista do alto do Cerro Alcón.

Demos a volta no cerro e fomos para o mirante que fica em frente ao porto, tava um pouco nublado por causa da chuva, mas ainda sim avistamos a saída do canal ea ponte das Américas. Enquanto tirava minhas fotos da cidade, recebemos a ilustríssima presença de um Tucano, que passou voando do nosso lado e pouco depois se instalou num galho alto e começou uma linda cantoria. Achei que o tucano panamenho tem o bico de cor mais fosforescente que o tucano brazuca, não parece? (Biólogos e entendidos de plantão, desculpem a ignorância da blogueira que não entende nadica de pássaros mas que gosta muito deles.)


Por último, nossa taxista cantou o moço que toma conta da montanha e ele liberou nossa passagem ao lugar onde fica a bandeira panamenha e grande parte das antenas de telefonia do país, mais uma bela vista. E um pequeno presente que eu não consegui fotografar, um desses sapos pequeninos, mega coloridos e mega venenosos. Lindo bicho. Isso sem falar na natureza em volta, arvores e flores. Não preciso dizer que a visita valeu, né?


Outro tímido habitante do Cerro

Próxima parada, o shopping center Albrock que tem fama de ser um dos mais baratos da cidade. ( Veja mais detalhes sobre compras no Panamá no:  http://ideiasnamala.wordpress.com/2012/07/19/panama-dicas-para-planejar-sua-viagem-ou-escala-longa-na-cidade-do-panama/) Como a chuva atrapalhou nossos planos de passeio, resolvemos parar e comprar o presente de aniversário da minha sogra, um shorts de praia para o Gu e uma calça jeans para mim.

O Albrock é um shopping muito grande e meio popular se comparado ao  Multicentro. Para quem gosta de compras bem baratas, tem muitas lojas desconhecidas e com preços bem baixos. Outra dica importante é pedir desconto, em muitas lojas o preço da etiqueta é bem negociável.


Almoçamos no Crepes & Waffles, uma rede colombiana super gostosa ( tá, eu sei que já chegou ao Brasil, mas como não tem nenhuma perto de mim em São Paulo, fiz este “esforcinho” no Panamá).

Comemos uma Saladinha, um crepe (o Gu pediu um de frango thai e eu pedi um de queijo com champinhon) e de sobremesa dividimos um senhor sorvete (o cardápio de sorvetes deles de sorvetes é ótimo, taças lindas e muito bem fotografadas. Para os amantes de uma bela taça gelada, eu diria que é um programa imperdível 🙂 )
Terminadas as compras , pegamos um taxi rumo ao Amador Causeway, um braço construído com a terra extraída do Canal do Panamá que liga três ilhotas: Naos, Perico e Culebra.

O Amador Causeway serve como uma barreira de proteção ao canal do Canal do Panamá e como um ponto de recreação para os panamenhos já que os calçadões da rua, são um belo convite para ciclistas, corredores e turistas.O Calçadão tem cerca de 2 quilómetros de extensão e uma bela vista para a cidade e para a Ponte das Américas.

Por cerca de oito dólares por hora (passamos um pouquinho de uma hora e não nos cobraram a diferença) você aluga uma dessas bicicletas duplas engraçadas e faz um passeio bem agradável pelo Causeway, tem muitas bancas de aluguel de bike pelo caminho. Quem preferir pode escolher uma bike individual ou até um patins.


O tempo continuava feio, mas ainda sim alugamos uma bicicleta e fizemos nosso passeio.
O calçadão é repleto de bancos para quem quiser parar e olhar para o mar, alguns restaurantes com super cara de turista (traduzindo, nenhum que me animasse a comer por ali) e no final uma Marina.


No meio do passeio passou por nós um desses ônibus anfíbios e um pouco para frente o ônibus entrou na água e virou barco. Costumo fazer meus passeios de forma independente, mas numa cidade com tanta água, um ônibus-barco me pareceu uma excelente opção.
Terminado o passeio pegamos um taxi e pedimos para ele nos deixar próximo aos prédios modernos da cidade…

Desembarcamos a poucas quadras da nossa próxima parada: um drink no chiquérrimo Trump Hotel, um predio super moderno que de longe nos lembrou muito o Burj Al Arab de Dubai. O Trump Hotel tem um pouco de tudo: residências, escritórios e hotel.


E no saguão, uma bela Gordinha de Botero

O 16o andar é o piso dos restaurantes. Duas opções nos chamaram a atenção: o BARcelona e o Tejas os dois pareciam bem bacanas, mas escolhemos o BARcelona pela vista da cidade.

(A vista não é tão boa quanto pensávamos, os prédios da frente passam bastante dos 16 andares. Ainda sim visitar o Trump hotel vale a pena pela experiência)


Tomamos dois drinks maravilhosos acompanhados de uma porção deliciosa de lulas fritas, até pensamos em ficar para jantar, mas era um pouco cedo e eu queria conhecer outros restaurantes.


Antes de sair, demos uma voltinha pela lateral, e sem perceber, caímos na parte social do hotel, óbvio que antes de sair, resolvi fotografar tudinho :).
As piscinas são lindas, de frente para o mar e com uma vista linda para a baia. Uma bela opção para quem quer uma estadia super chique no Panamá.


Voltamos caminhando para o hotel, e no caminho demos uma passadinha no Multicentro, nossa idéia era fazer uma rápida comparação (meramente visual) com o Albrock, e sem dúvida a experiência no Multicentro é muito mais legal. Enquanto o Albrock é um lugar de compras baratas e ponto (sim, tem muita loja bacana no Albrock, mas no Multicentro tem muito mais) o Multicentro é um centro de diversões com Cassino, play ground para pequenos, Hard Rock Café e muito mais. Como minha paciência com shoppings não é lá essas coisas, não passei mais de 20 minutos ali, mas gostei da experiência.


Para quem planeja visitar o Multicentro, o lounge do Hard Rock Hotel vale a visita :).


Terminamos nosso dia num restaurante super bacana ( e super tradicional) chamado Manolo Caracol que fica no Casco Antiguo. O restaurante não tem menu, os pratos variam a cada semana dependendo dos ingredientes frescos que o dono encontra na semana.

O jantar consiste em 6 à 8 pratos bem variados regados a um dos muitos vinho tintos da adega. (Ficamos com o vinho tinto da casa, um Merlot bem suave e gostoso).


Estante de temperos do Manolo Caracol

Os pratos vão sendo servidos de um a um, e é bem bacana não saber nem o que vem e nem quantos são.
Como não como tanto, e sabia que 8 pratos seria um pouquinho de exagero para mim, experiementei cada prato, mas comi só a metade de cada um. Pronto, sai de lá feliz da vida e sem rolar.
O menu fixo custa USD 35,00  por pessoa. Recomendo a experiencia.

Localize-se

Trump Hotel

http://www.trumphotelcollection.com/panama/

Calle Punta Colón – Cidade do Panamá

 

Manolo Caracol

http://manolocaracol.net/reservar/

Aberto de segunda a sábado das 18:00 as 22:00

Preço fixo do Menú: 35 dólares

IMPORTANTE RESERVAR!

 

Veja também:

Dicas para planejar sua viagem para o Panamá:  http://ideiasnamala.wordpress.com/2012/07/19/panama-dicas-para-planejar-sua-viagem-ou-escala-longa-na-cidade-do-panama/

Cidade do Panamá: O canal do Panamá e o Casco Antiguo – nosso primeiro dia na cidade: http://ideiasnamala.wordpress.com/2012/08/07/cidade-do-panama-muito-mais-do-que-uma-escala/

About author

mari vidigal

Viajante incansável, daquele tipo que no meio de uma viagem já está pensando na próxima, na próxima e na próxima. Apaixonada por fotografia, natureza e vinhos

5 comments

Post a new comment

Veja também