Índia: Taj Mahal só para mim

2
Estilo de viagens

Ter o Taj Mahal só para mim nem que fosse por só 2 minutos era uma das metas da minha viagem para a Índia. Nesse post, divido com vocês a história por trás dessa loucura e dicas para quem quer visitar o Taj. Vamos nessa?

Índia: Taj Mahal só para mim

Não sou das mais rápidas. Fato. Mas determinação é comigo mesmo e eu tinha uma meta: queria ter o Taj Mahal só para mim, ser a primeira a entrar e tirar uma dezena de boas boas antes do lugar começar a encher. Audaciosa? Talvez.

Taj Mahal só pra mim

A espera

E foi assim que em uma madrugada mais fria que o esperado começamos a nossa peregrinação para o Taj Mahal. O Taj abre de quinta a domingo, do nascer ao pôr do sol. Naquele dia a abertura estava programada para as 7:30 da manhã e nos programamos para chegar 1:15 antes (sugestão do nosso guia e ele acertou em cheio, fomos o segundo grupo a entrar).

Munidas com casacos caprichados, bolsas quase vazias para não ter problemas com o raio X e as regras pentelhas de segurança do Taj (são uns chatos, não pode tripé, não pode carregador de celular, fone de ouvido e nem absolutamente nada de comer) discutíamos nosso plano de ação e daevamos risada de nós mesmas. O grupo na nossa frente, claramente de terceira idade não teria pique para correr até a parte principal do Taj (protegida por um belo muro e uma porta), restava torcer para os guardas do outro portão (exclusivo para os indianos) não resolvesse começar a trabalhar antes do nosso.

Pernas pra que te quero

7:35 e eu olhava para meu relógio impaciente. Abre ou não abre? Abriu, e eu corri. Corri como se estivesse disputando o ouro olímpico e parti para o ponto de encontro que havia combinado com as meninas. Passei reto pelo muro, nada de bater foto da porta, eu queria o principal. Taj, seu lindo, chegueeeei!

Taj Mahal só pra mim

Minha recompensa! Uma foto sozinha no Taj!

O Taj pra chamar de meu

A corrida valeu a pena, levou uns 5 minutos para a segunda pessoa chegar. Enquanto isso eu me deliciava, e fotografava – Feliz da vida – torcendo para o sol nascer bonito e levar a neblina embora.

Taj Mahal só pra mim

Conforme ia me aproximando, ia tirando novas fotos.

Taj Mahal só pra mim

Detalhes do Taj Mahal

Taj Mahal só pra mim

Momentos depois eu já havia tirado todas as minhas fotos. Desliguei a câmera, sorri e agradeci. O Taj Mahal nunca foi o motivo da minha ida a Índia, sem expectativas deixei o lugar me surpreender, me conquistar e me envolver. Sem dúvida um lugar especial! Índia sua linda, você acabará de me conquistar mais uma vez, e dessa vez com seu grande cartão postal. E não é que é bonito mesmo?!

Taj Mahal só pra mim

Taj Mahal só pra mim

Taj Mahal só pra mim

O sol nem nasceu, ou nasceu e eu nem vi. Sei que uma hora ele apareceu. E junto com ele vieram as pessoas. Dezenas, centenas, milhares. Aos poucos o Taj Mahal foi perdendo aquele ar sereno e ganhando aquele jeitão conturbado, um tanto quanto lotado de uma atração turística disputada.

Mais um tiquinho de sossego

Enquanto a multidão se aglomerava na parte central do mausoléu, fomos para uma das laterais e alí, mais uma vez, pudemos curtir um pouquinho de paz e nos deliciar com mais um hora ou duas de contemplação.

Taj Mahal só pra mim

Caminhando rumo a lateral do Taj

Taj Mahal só pra mim

O cantinho que escolhemos para aproveitar

Taj Mahal só pra mim

Chão do Taj Mahal

E claro que rolou foto do grupo! 🙂 

Taj Mahal só pra mim

Nós no Taj Mahal

taj-mahal-20

Horas depois, quando saímos do Taj, a fila na porta já dava voltas. Só piora. Quanto mais tarde, mas lotado!

Quer visitar o Taj e curtir a vibe? Madrugue, e corra! Juro que vale a pena.

E a parte interna do mausoléu?

Visitei no dia anterior e detestei. Era tanta gente, um empurra empurra louco. Guerra de flashes onde é proibido tirar foto, mãos bobas se aproveitando de traseiros desavisados. Um clima péssimo de final de carnaval de salvador (todo mundo suado com um calor infernal) sem nenhuma gota de cerveja pra aliviar. A experiência foi tão ruim que nem pensei em voltar. Nem vazio!

Taj Mahal

Sente só a quantidade de gente na entrada do Mausoléu

Um dia antes

Vale falar que essa foi a minha segunda visita ao Taj Mahal, no dia anterior visitei o Taj durante o pôr do sol. O que achei? Lindo, porém lotado. Voltei no dia seguinte para assistir o nascer do sol e tentar encontrar mais vazio. Bingo! Por alguns minutinhos tive o Taj Mahal só para mim!

Taj Mahal

Taj Mahal no dia anterior, sente ó o drama!

Taj Mahal

Tá, até dá para tirar umas fotos caprichadas. Mas não dá pra negar que é gente pra caramba!

Eu se fosse você faria o mesmo!

Detalhes para quem quer visitar o Taj Mahal

  • Site Oficial
  • Aberto de quinta a domingo do Nascer ao pôr do sol
  • Entrada: 1000 rúpias para estrangeiros

Este post faz parte da série Histórias de Viagem, um retrato fotográfico das minhas andanças pelo mundo.

Veja também:

Sobre a Índia:

Nova Delhi

Outras cidades da Índia

E para ficar por dentro de todas as novidades do Ideias na Mala, siga nosso instagram!

 

About author

mari vidigal

Viajante incansável, daquele tipo que no meio de uma viagem já está pensando na próxima, na próxima e na próxima. Apaixonada por fotografia, natureza e vinhos

2 comments

  1. Tamires 4 novembro, 2016 at 20:01 Responder

    Olá. Estou indo para a índia em abril/2017, e estou encontrando muita dificuldade em entender como chegar ao taj mahal. Você tem o contato do guia que te levou? Poderia informar o valor, como funciona, etc? A “excursão” sai de Deli mesmo? Agradeço muito a ajuda 🙂

    • mari vidigal 6 novembro, 2016 at 20:43 Responder

      Oi Tamires, Fiz um tour de 20 e poucos dias com a G Adventures
      Mas te adianto que Agra é longe de Delhi e que vale a pena dormir pelo menos uma noite.
      Para chegar pegue trem (norturno ou diurno) de Delhi a Agra. Também dá para voar, mas não sei se compensa.
      Beijos

Post a new comment

Veja também