O que fazer em Washington D.C. – 15 atrações imperdíveis

Saiba o que fazer em Washington D.C., um post recheado de dicas para quem quer curtir as principais atrações da cidade, incluindo monumentos, uma passadinha básica pela Casa Branca e alguns dos melhores museus. Pronto para se encantar por D.C?

O que fazer em Washington D.C.

Quinze dicas parece muito para uma única viagem, mas acredite, há muito mais do que isso para ser fazer em Washington D.C., capital dos Estados Unidos, um lugar que respira história a cada esquina.

Eu tento não pirar quando vejo essas listas extensas sobre os lugares “imperdíveis” de determinado destino. Costumo respirar fundo, analisar minhas preferências e, por fim, fazer o que dá tempo e cabe no bolso!

Por isso, relaxe: o importante é mirar no que é imperdível para você. Eu deixei de lado algumas atrações por falta de tempo, mas conseguir fazer praticamente tudo o que tinha programado e vou listar aqui 15 dicas que mais me marcaram nessa viagem.

Aproveite os museus gratuitos 

Uma coisa muito legal de Washington é que muitos museus são gratuitos – e isso não é algo tão comum em várias cidades dos Estados Unidos. Então, essa já é uma vantagem interessante da viagem: você vai voltar para casa com uma bagagem cheia de cultura sem ter que detonar muito sua conta bancária.

Monumentos incríveis de dia e de noite

Outra fator muito característico de Washington e que vale a pena destacar são os inúmeros e majestosos monumentos que estão espalhados por todos os cantos. Você vai aprender um bocado se prestar atenção na mensagem que eles trazem.

Se tiver tempo, vale passar por eles tanto de dia quanto de noite, a vista é totalmente diferente. Quando escurece, eles ganham uma iluminação especial que os tornam ainda mais impactantes. Certamente, você terá uma boa recordação visual na sua memória!

E aquela pitada básica de patriotismo

Independente da sua relação com os Estados Unidos e de todas as contradições históricas e políticas que cercam o país, é interessante observar o patriotismo presente nos detalhes. Nos memoriais vi muitos veteranos e várias pessoas indo até eles para dizer “obrigado”. Minha viagem aconteceu bem no meio de um 11 de setembro, então, você já pode imaginar o quanto a cidade estava tomada por este sentimento de amor à pátria.

Viajar é isso: ver com os próprios olhos alguns estereótipos sendo confirmados e, se estiver aberto para aprender com isso, poderá criar sua própria visão dos lugares.

Vale a pena fazer um bate volta para Washington DC, saindo de Nova York?

Se você ainda não fechou seu roteiro e pode dormir uma ou mais noites em DC, não pense duas vezes, a cidade é incrível, e merece muito mais do que um bate volta de Nova York. Se você já conhece bem Nova York e gostaria de dedicar 1 dia do seu roteiro para dar uma pincelada em DC, também acho válido (mas já aviso logo, será um dia corrido e cansativo).

Para quem vai fazer o bate volta, vale já reservar um ônibus de ida e volta de Nova York + ingresso do Capitol. O legal deste combo é garantir o transporte de ida e volta + o ingresso do capitol (que se esgota rapidamente) e poder explorar DC no seu ritmo, priorizando suas preferências.

Planejando uma viagem perfeita

Seguro de viagem

Depois de quase 7 anos morando nos Estados Unidos e de tomar muita porrada, minha primeira dica para quem vem para cá é: contrate um bom seguro de viagem . Não existe um sistema público de saúde nos Estados Unidos (infelizmente), e qualquer coisinha como um Raio-X em um tornozelo torcido vai custar um montão. E olha que nem estou falando de emergências ou coisas mais sérias. O fato é: não se brinca com saúde, especialmente nos EUA.

Vale falar que especialmente em países de moeda forte como os EUA, é importante escolher um seguro de viagem que cubra qualquer eventualidade no ato, sem aquela necessidade de ter desembolsar uma grana para depois correr atrás do prejuízo. Acredite, você não quer passar meses tentando recuperar seu rico dinheirinho.

Quer saber a parte legal de viajar bem coberto? Ao optar por um bom seguro viagem, você também estará garantido para problemas com extravio de bagagem, cancelamento de voos e até um voo emergencial, se algo der muito errado.

Minha recomendação é a Seguros Promo, uma empresa brasileira que funciona como um comparador de seguros, buscando os melhores custos benefícios do mercado sem abrir mão de uma cobertura excelente. Nós usamos e recomendamos. Clique aqui para fazer seu seguro de viagens (e insira o código IDEIASNAMALA5 para ganhar 5 % de desconto).

Mapa das atrações deste post:

Veja neste mapa nossas dicas do que fazer em Washington D.C

O que fazer em Washington D.C: 15 atrações incríveis!

Bom, sem mais delongas, vamos as dicas! E eu já começo convidando você para um rolê de bike. Bora?

1. Alugue uma bike e saia por aí

Eu não sou muito boa de mapa, confesso. Então, de cara, achei tudo muito pertinho. “Nossa, legal, dá para ver a maioria dos pontos turísticos a pé”. Só que as distâncias enganam, viu? De fato, a maior parte das atrações ficam concentradas em uma mesma região, conhecida como National Mall, mas muitas delas são bem afastadas uma da outra.

Por este motivo a minha primeira dica é: vá de bike! A cidade tem aquele sistema integrado, com pontos para pegar e deixar a bicicleta distribuídos por vários locais. Isso facilita muito porque você não fica “preso” à bike e, ao mesmo tempo, pode ter sempre uma à disposição quando quiser se locomover de um canto para outro.

Você pode ir até um posto da Capital Bike Share e pagar US$ 2 por uma única viagem ou US$ 8 para usar o dia todo. Ao todo, são 440 estações e você também pode baixar o aplicativo para ter na sua mão o mapa de onde cada uma delas está localizada.

Vale destacar que a cidade é bem tranquila para passeios de bike e as ruas são planas. Se você tiver um tempinho, tente cair para dentro dos bairros para conferir um pouco da vida em Washington, além da parte turística.

Andar de bike por Washington é uma delícia | Imagem: Danielle Barg

Além das bikes, outra forma deliciosa de explorar DC é com algum dos programas de patinete compartilhado (Scooter).

2. Reflecting Pool

Este famoso espelho d’água é um bom ponto de partida porque é um dos lugares mais emblemáticos da cidade. E nada melhor do que uma primeira impressão de impacto! 

A cor da paisagem muda de acordo com o sol | Imagem: Danielle Barg

Como fica na região do National Mall, o parque a céu aberto que compreende vários memoriais, você vai acabar passando por lá várias vezes. E isso é bem legal: porque ao passo que o sol se movimenta, as cores por ali mudam também.

A Reflecting Pool fica entre Lincoln Memorial e o Washington Monument. Ela parece no filme Forrest Gump então, se você assistiu, vai reconhecer a área rapidamente!

Que tal sentar um pouquinho e admirar essa beleza? | Imagem: Danielle Barg

3. Washington Monument

O Washington Monument ostenta o maior obelisco do mundo, com 169 metros de altura. Foi construído em homenagem à George Washington, o primeiro presidente dos Estados Unidos. É subindo nele que você terá a melhor vista da cidade. Porém, está temporariamente fechado até agosto de 2019 para reformas, então seria interessante consultar o site do National Park Service para planejar sua visita. Mesmo que não conseguir subir, você terá uma boa visão por lá: eu não cheguei a subir e curti o passeio mesmo assim.

O obelisco de Washington tem 169 metros de altura | Imagem: Danielle Barg

4. Lincoln Memorial

O memorial dedicado à Abraham Lincoln é imponente. Os visitantes ficam pequenininhos diante da gigante estátua do ex-presidente que aboliu a escravidão nos Estados Unidos. Ele está sentado, olhando para o horizonte e cercado por 36 colunas. A arquitetura tem inspiração nos templos gregos.

O Lincoln Memorial está aberto ao público 24 horas por dia e, à noite, ganha iluminação especial | Imagem: Danielle Barg

Ao lado esquerdo da estátua está um dos mais famosos discursos do presidente. O memorial fica aberto 24 horas por dia e não é preciso pagar nada para visitar (assim como todos os outros memoriais que serão citados neste texto).

Olha o tamanho das pessoas perto da estátua gigante! | Imagem: Danielle Barg

5. Vietnam Veterans Memorial

Este é um tributo aos cidadãos das forças armadas que lutaram na Guerra do Vietnã e foram mortos em ação. Ele é dividido em três partes: The Three Soldiers statue, Vietnam Women’s Memorial e Vietnam Veterans Memorial Wall – que exibe mais de 58 mil nomes.  

É bem impactante ver as estátuas dos combatentes como se estivessem andando no gramado, em posição de guerra. Se você estiver com o olhar um pouco mais atento, notará que o local vive cercado de flores trazidas pelos visitantes.

Soldados em posição de guerra no memorial dedicado à guerra do Vietnã | Imagem: Danielle Barg

6. Martin Luther King Jr. Memorial

O memorial dedicado ao maior líder do movimento pelos direitos civis, Martin Luther King, foi inaugurado em 2011, pelo primeiro presidente negro dos Estados Unidos, Barack Obama. Fica localizado há dez minutos das escadarias do Lincoln Memorial, onde em 1963 ele deu voz a um dos discursos mais famosos da história: “I Have a Dream”.

A estátua tem mais de 9 metros de altura e é cercada por um muro com quase 140 metros de comprimento, repleto de trechos tirados do discurso.

Liberdade, oportunidade e justiça são as palavras de ordem que marcam a luta de King contra a segregação racial. A sua importância histórica fez com esse tenha sido o primeiro monumento a homenagear um negro e o quarto a ser dedicado a uma personalidade que não tenha atuado como presidente nos Estados Unidos.

Martin Luther King foi a primeira pessoa negra a ganhar um memorial em Washington | Imagem: Danielle Barg

7. Jefferson Memorial

Esta é outra parada bastante visitada pelos turistas, especialmente por sua majestosa arquitetura. A estátua de Thomas Jefferson fica bem no centro do monumento e as paredes são preenchidas com trechos da declaração de independência dos Estados Unidos – da qual o ex-presidente foi um dos principais autores. Este memorial simboliza a liberdade.

O Jefferson Memorial simboliza a liberdade | Imagem: Danielle Barg

8. World War II Memorial

Um memorial majestoso em homenagem às 16 milhões de pessoas que serviram às forças armadas durante a Segunda Guerra Mundial, incluindo as mais de 400 mil pessoas que deram seu último sacrifício ao país.

O memorial dedicado à segunda guerra mundial é imponente | Imagem: Danielle Barg

É um lugar bastante amplo, em formato circular, com um espelho d’água no centro e um imenso chafariz. O local foi aberto ao público em 2004 e é carregado de significados. Vale a pena ficar de olho nos detalhes. Pode ser visitado a qualquer momento do dia e de noite ganha uma iluminação especial.

Pessoas cumprimentam veterano no memorial dedicado à segunda guerra mundial | Imagem: Danielle Barg

9. White House

A Casa Branca é um dos símbolos mais conhecidos de Washington e com certeza todo mundo que passa pela cidade faz questão de tirar uma foto por ali. A residência oficial e escritório do presidente foi escolhida pelo primeiro presidente americano, George Washington, em 1791. Atualmente, também serve como pano de fundo para muitos protestos e já apareceu em diversos filmes.

A área externa tem um jardim amplo e uma grade que cerca toda a área, mas isso não atrapalha na hora da foto. É possível fazer um tour na parte interna, mas o processo é burocrático e é preciso fazer o pedido por meio da embaixada americana com até seis meses de antecedência. Mais informações aqui.

A título de curiosidade, eu não achei a casa tão grande quando cheguei perto, mas na verdade ela é gigantesca: tem 132 quartos e 35 banheiros, distribuídos em seis andares!

A Casa Branca é cercada por grades, mas vive cheia de turistas querendo garantir seu clique | Imagem: Danielle Barg

10. Capitol

Centro da democracia americana, o prédio do Capitólio pode ser visto de longe graças à sua enorme cúpula central. O prédio abriga o senado e a câmara dos deputados norte-americanos e tem as portas abertas para o público de segunda a sábado, das 8h30 às 16h30 (exceto nos feriados de Thanksgiving, Natal, Ano Novo e Inauguration Day).

A entrada é gratuita e quem quiser fazer o tour guiado também não paga, porém precisa reservar com antecedência neste site aqui. Caso as vagas já estejam esgotadas, você pode fazer um tour pago pelo Capitol (este também se esgota, mas demora um pouco mais)

O Capitólio (que, nessa foto, estava passando por uma reforma) é palco de protestos e de manifestações políticas | Imagem: Danielle Barg

O tour começa no Capitol Visitor Center e leva em média 1h30, mas vale a pena. Inclui explicações sobre as inúmeras pinturas em afresco distribuídas no local, que representam os eventos mais importantes da história americana; além de estátuas e outros detalhes sobre a arquitetura neoclássica que dá vida ao local.

O tour guiado não inclui o acesso às galerias do Senado, no entanto, visitantes podem pegar tickets gratuitos para assistir sessões que estiverem acontecendo no momento da visita. Quando os congressistas não estão em sessão, também é possível acessar as galerias – mas o legal mesmo é ver os congressistas em ação! Se você der sorte, pode ser que consiga!  

11. Library of Congress (Biblioteca do Congresso)

Essa é nada menos do que a maior biblioteca do mundo, e abriga mais de 164 milhões de itens. A visita vale não só pela grandiosidade, mas também pela arquitetura e pela beleza do local.

A sala de leitura da Library of Congress impressiona | Imagem: Danielle Barg

A sala de leitura (gigantesca) é protegida por um vidro, mas os visitantes podem apreciar a vista, as paredes forradas de pinturas e estátuas distribuídas por lá. A entrada também é gratuita e, quem quiser pode fazer um tour guiado. O local fica aberto de segunda a sábado, das 8h30 às 17h30 (fechada aos domingos e nos feriados de  Thanksgiving, Natal e Ano Novo).

A arquitetura da biblioteca do congresso vale a visita! | Imagem: Danielle Barg

12. Air and Space Museum

Este museu é gratuito e um dos mais populares na cidade de Washington: o Air and Space Museum. Ele é dividido em duas unidades, uma delas fica no estado de Virgínia. Juntas, as duas localizações reúnem a maior coleção de aviação e artefatos espaciais do mundo. Aberto em 1976, já recebeu mais 311 milhões de visitantes. É um verdadeiro paraíso para quem é fã de astronomia e agrada tanto crianças, quanto adultos.

Todos os espaços são preenchidos com os mais diferentes tipos de aviões, foguetes, satélites e inúmeras outras atrações, incluindo um planetário. Entre os objetos mais badalados está o primeiro avião construído pelos irmãos Wright, em 1903, o “Wright Flyer, e um pedaço de rocha lunar que os visitantes podem tocar!

Air and Space Musem: um prato cheio para quem é fã de astronomia e aviação | Imagem: Danielle Barg

Aberto todos os dias, exceto no dia 25 de dezembro, das 10h às 17h30. Durante a primavera e o verão os horários podem ser estendidos, então, vale dar uma olhada no site para programar sua visita e aproveitar ao máximo seu roteiro.

Gratuito, este é um dos museus mais populares de Washington D.C. | Imagem: Danielle Barg

13. National Museum of Natural History (Museu de História Natural)

Mais um pra lista dos gratuitos e imperdíveis: Museu de História Natural, que foi fundado em 1910. Com mais de 127 milhões de itens, que contam a história do nosso planeta e o processo evolutivo dos animais.

Como todo bom museu de história natural, ele é dividido em grandes áreas temáticas. E é tudo gigantesco: a entrada do museu recepciona os visitantes com um grande e simpático elefante, a área dedicada ao oceano tem uma enorme réplica de uma baleia; a dos dinossauros, um imenso T-Rex e outros diversos esqueletos de dinossauros.

Um enorme elefante recepciona os visitantes no Museu de História Natural | Imagem: Danielle Barg

Se você gosta desse tipo de museu, reserve no mínimo meio período para dar conta das inúmeras espécies de animais, pedras preciosas, múmias e tantos outros atrativos.

O museu também conta com um centro educacional que permite que os visitantes possam brincar de fazer descobertas científicas.

A arquitetura também vale nota! Fique atento. O National Museum of Natural History funciona todos os dias, das 10h às 17h30, exceto no dia 25 de dezembro. No verão, fecha mais tarde, às 19h30.

14. The National Museum of American Story

O que não falta é museu em Washington, já deu para notar, né? Esse museu é um apanhado de diversos itens e fatos que contam a história dos Estados Unidos, como relíquias presidenciais, bandeiras, ícones importantes da indústria e do cinema, e até uma área dedicada às primeiras damas, com alguns vestidos expostos.

Gostei muito da área que conta a história da alimentação no país. É bem informativa e, ao mesmo tempo, divertida. Você verá uma réplica bem bacana da cozinha da Julia Child, uma das mais icônicas apresentadoras de programas culinários da TV americana e mundial.

A cozinha de Julia Child, no Museu de História Americana. Bon appétit! | Imagem: Danielle Barg

Também abre todos os dias, menos 25 de dezembro, e a entrada é gratuita. O horário é das 10h às 17h30, e, no verão, até 19h30.

15. Newseum

Chegamos finalmente a um museu pago, que, na minha opinião, vale cada centavo dos US$ 25 cobrados. O Newseum é um gigantesco acervo de notícias que marcaram o mundo, que são mostradas por meio de jornais antigos, fotos incríveis, exposições e galerias multimídia. Foi inaugurado em 2008.

O Newseum é um dos poucos museus pagos de Washington D.C., mas super vale a pena! | Imagem: Danielle Barg

Também remonta um pouco da evolução da tecnologia nas últimas décadas até os dias atuais e como isso impactou a forma como consumimos informação. Abre todos os dias, das 9h às 17h, e só fecha no Thanksgiving, Natal e Ano-Novo.

O museu mostra os acontecimentos mais importantes da história por meio das notícias | Imagem: Danielle Barg

Por fim, comida!

Falei pouco sobre comida, mas vou deixar uma boa pedida aqui para quem curte o conceito “farm to table”. Encontrei o restaurante Founding Farmers (1924 Pennsylvania Ave NW) por acaso, andando pela rua, e foi uma grata surpresa. A casa prioriza os ingredientes cultivados localmente por agricultores da região.

Comida gostosa com ingredientes locais. Fãs do conceito ‘farm to table’ vão gostar! | Imagem: Danielle Barg

Além de oferecer uma comida deliciosa, eles levantam a bandeira da sustentabilidade. Ao mesmo tempo que apoiam a agricultura local e os pequenos produtores, também implementam conceitos de reciclagem e compostagem. O atendimento é bem bom e o ambiente é uma delícia.

O cardápio, então, nem se fala. Tem várias opções de burguers, massas feitas na casa (como ravioli de queijo de cabra e mac and cheese de lagosta); além de pratos vegetarianos, carnes, peixes, etc. Eu comi uma massa com camarão que tinha uma espécie de farofa de pão em cima, estava bem gostoso.

Lugares que eu não fui (e gostaria de ter ido)

Como você pode ver, lugar para passear é o que não falta em Washington D.C. Ainda ficou faltando um monte de atrações na minha lista, como o National Geographic Museum, o Holocaust Memorial Museum, o National Museum of African American History and Culture (que fica em um prédio belíssimo!) e o National Museum of African Art. Fica para uma próxima! Mas faça seu roteiro de acordo com as suas preferências e com o seu bolso: a viagem será inesquecível se você conseguir montar um roteiro com a sua cara!

Onde se hospedar em Washington D.C.?

Washington D.C. é a capital e o distrito federal dos Estados Unidos. Fazendo um comparativo, é como se fosse Brasília para o Brasil. Ou seja, ela está cercada de cidades que pertencem a outros estados e possui uma estrutura de divisão diferenciada: quatro grandes quadrantes que saem de Capitólio.

Por lá, as ruas são nomeadas por letras, na horizontal, e números, quando estão na vertical. E aqui está o pulo do gato: elas são espelhadas, isto é, tudo que está de um lado, tem do outro. Isso causa uma confusão imensa com os taxistas, por exemplo, que vão para o número 700 da rua U porém do lado quadrante errado. Se estiver por lá, lembre de ter sempre a coordenada completa do seu endereço. Por exemplo: 700 U street Northwest.

Dito isto, vamos aos bairros. Listamos três boas pedidas para a sua hospedagem!

Downtown
Para quem vai conhecer Washington pela primeira vez, o bairro de Downtown é a melhor opção. Bem próximo do National Mall e da Casa Branca, você conseguirá conhecer diversos pontos turísticos a pé, além de ter uma ótima estrutura de restaurantes e bares. Por aqui, você resolve um roteiro básico da cidade facilmente, é o centro de tudo! Próximo daqui, você tem a Chinatown – uma área interessante para conhecer, mas bem diferente da de Nova York!

Georgetown
Esse é o bairro história da cidade, uma localização clássica e luxuosa repleta de casinhas coloridas e arquitetônicas. Com ótimos hotéis e restaurantes (inclusive cafés e livrarias que são um charme), ele fica mais afastado do centro e não é bem servido de transporte público, então considere que por aqui a sua locomoção será um gasto extra. Por ser um bairro universitário, é bem movimentado a qualquer hora do dia.

Dupont Circle
Considerado o point alternativo da cidade, o bairro é bem movimento e repleto de escritórios, bares, restaurantes e baladas. Para chegar até os museus será preciso usar o metrô, mas o transporte é fácil. Aqui, você conhecerá uma vida mais de “bairro” que Washington pode oferecer com casas coloniais e galerias de arte.

E aí, curtiu nossas dicas do que fazer em Washington D.C?

Alguém aí já conhece a cidade e tem mais dicas para engordar este post?


Veja também:

Nova York


Para ficar por dentro de todas as novidades do Ideias na Mala, siga nosso instagram!

This error message is only visible to WordPress admins

Error: No connected account.

Please go to the Instagram Feed settings page to connect an account.

Planeje sua viagem

Comentários (4)

Olá!!!! Muito bom seu post! Eu já fui duas vezes para Washington DC só para turistar e já estou com a terceira viagem marcada!! Amo a capital americana! Só gostaria de fazer uma correção: onde você marcou como Memorial do Vietnã, na verdade é o Memorial da Guerra da Coréia!! O do Vietnã também fica no Hall, mas é outro… Só quis colaborar! Um forte abraço!!

Oi Daniela,
Super obrigada pela correção! Vc tá falando do mapa né?! Deixa eu tentar arrumar já!
Beijos e obrigada

Oi Mari!! Me referi a foto mesmo… aqueles são soldados combatendo na Coréia! O Memorial do Vietnã são somente três soldados representando um branco, um negro e um hispânico! Além do lindo muro em mármore preto com nome das vítimas! Beijos!!!

Daniela, estou indo a Washington em outubro e gostaria de mais dicas, já que é a terceira vez que você está indo.

Deixe o seu comentário