Pode viajar de avião grávida? Um guia prático para viajar grávida

0
Roteiro Aruba e Curaçao

Grávida pode viajar de avião? Veja a respostas dessa pergunta, e de muitas outras dúvidas comuns para mães de primeira viagem aqui neste post! Veja também relatos de viagens de avião do primeiro ao oitavo mês! Vamos nessa?

Pode viajar de avião grávida? Um guia prático para viajar grávida

Nos últimos meses tenho recebido um montão de perguntas no Stories do Instagram sobre gravidez e viagem, o que pode, o que não pode, e a recorrente dúvida: “Pode viajar de avião grávida?“. Fui anotando todas as dúvidas para atualizar o post  que escrevi finalzinho da gravidez do Tom (minha primeira gestação): Dicas para Viajar Grávida, e fiquei bem feliz ao reler e perceber que já está quase tudo lá:

  • Viajar grávida: o que pode e o que não pode?
  • Cuidados com a alimentação durante as viagens
  • Atividades físicas durante a viagem
  • Cuidados ao carregar peso e a mala da viagem
  • Hot Tub nem pensar
  • Dicas práticas para durante a viagem

O que sim faltou foi responder uma das perguntas mais importantes para as mamães de primeira viagem, e que assim como eu, querem aproveitar a gestação para curtir uma (ou algumas) viagens em casal. Então aí vão as minhas dicas para quem planeja viajar grávida de avião, e um relato rápido das minhas experiências. Vamos nessa?

Pode viajar de avião grávida

Grávida de 6 meses viajando por Los Angeles

Pode viajar de avião grávida?

Minha resposta de bate-pronto é, opa! Não só pode, como deve! Aproveite que você ainda não tem um bebê nos braços para fazer os programas que curte e no seu próprio ritmo! Você pode sim aproveitar e viajar bastante com bebês e crianças, mas o ritmo da viagem muda bastante, assim vale aproveitar a gestação para fazer aquela viagem romântica – a chamada Babymoon – e do jeitinho que você gosta!

Mas, claro que tudo depende da opinião do seu médico obstetra e das condições da sua gestação. No caso de uma mãe saudável e de uma gestação saudável, você não deveria ter problemas ou restrições para viajar. E quer saber? É uma delícia aproveitar os meses da gestação pra tirar merecidas férias com o [email protected] e descansar bastante o corpo e a mente antes da chegada do [email protected]

Alguns médicos mais rígidos pedem que as pacientes evitem viajar no primeiro trimestre de gravidez, quando há mais chances da “coisa não vingar”, outros limitam as viagens até as 28 semanas. Claro que tudo depende da filosofia do seu médico, e claro, das condições da sua gestação. A equipe que acompanhou minhas duas gestações é bem tranquila neste tópico, me mandou viajar sem medo de ser feliz e aproveitar bastante! E eu fiz!

[Aqui deixo uma dica importante e que não tem nada a ver com viagens: ao escolher a sua equipe médica, selecione pessoas que pensam como você. Quer parto normal? escolha uma médica que faz mais partos normais do que cesárias – peça as estatísticas dela. Pesquise e esteja bem segura quanto as suas escolhas. Escolhi tão bem minha equipe que estou 100% confiante em seguir todas as recomendações delas, e que por sinal tem tudo a ver com o estilo de vida e estilo de gestação que eu e o Gu escolhemos.]

Pode viajar de avião grávida

Grávida de 6 meses viajando pelo deserto dos EUA

Até quantas semanas pode viajar grávida?

Falando de gestação e viagens de avião, outro assunto que gera muita confusão é: Até quantas semanas pode viajar grávida?

E aqui a resposta é novamente DEPENDE…

Cada companhia aérea tem suas próprias regras (e eu se fosse você consultaria bem essas regras antes de emitir a passagem, especialmente depois das 30 semanas de gestação), mas em linhas gerais, grávidas de até 25 semanas podem viajar normalmente – tanto para destinos nacionais quanto internacionais sem atestado.

Entre 26 e 34 semanas as companhias exigem um atestado médico emitido na semana na viagem. Algumas companhias ainda exigem uma declaração assinada pela passageira isentando a companhia aérea de responsabilidades. A única companhia que me exigiu esta declaração no check-in foi a Aeroméxico, mas nunca me pediram a declaração no voo.

Pode viajar de avião grávida

Foto de família – Grávida de 32 semanas em Aruba

Para voos internacionais o limite máximo de semanas varia de companhia para companhia, em geral até as 34 semanas você pode voar sem problemas, desde que seu médico autorize. No Brasil algumas companhias permitem que você voe – com atestado – até 38 semanas, e a partir de 38 semanas, só em casos de urgência e acompanhada do obstetra responsável.

Vale falar que no caso de gravidez de gêmeos, ou gravidez de risco as regras são um pouquinho diferentes. Não custa reforçar: eu se fosse você consultaria o site da companhia aérea antes de emitir a passagem.

Não custa nada levar um atestado!

Nas minhas duas gestações nunca me pediram o atestado – e olha que no meu último voo, de 32 semanas eu estava bem grandona. Mas como sou precavida – e odeio pensar na ideia de chegar no aeroporto e não embarcar – sempre viajei com atestado, o que aqui nos EUA é um calhamaço com todo o histórico das suas consultas assinado pela equipe médica.

Ninguém falou que é confortável!

Pra mim a grande barreira de voar tão grávida é o desconforto. Barriga de grávida pesa, especialmente no terceiro trimestre e avião não é um negócio confortável, né?! Isso sem falar nas idas infinitas ao banheiro. Sentei no corredor, mas infelizmente levantei muito mais do que eu gostaria.

Beba água e mexa-se durante o voo

E falando em levantar, quanto mais grávida você estiver, maiores devem ser seus cuidados com a circulação e com a hidratação. Beba muita água (pelo menos 3 litros por dia), e procure levantar a cada hora de vôo para mexer as pernas e dar aquela alongadinha. Tenho amigas que usaram meias de compressão para aliviar o inchaço, vale consultar seu médico e pedir a opinião dele! Meu pés incharam um pouco nos últimos voos da gravidez, mas nada que me incomodou.

Seguro de viagens para gestantes

Viajar grávida não é nenhum bicho de sete cabeças, pelo contrário, você pode aproveitar uma paisagem bucólica para fazer fotos, uma praia deserta para relaxar antes da chegada do bebê ou até “bater perna” atrás do enxoval, o que não pode ficar em segundo plano jamais é a contratação de um seguro de viagem específico para gestante. Ninguém quer – ou deveria – correr riscos quando se tem um bebê na jogada. E antes que você me pergunte: Infelizmente os seguros oferecidos pelos cartões de crédito não cobrem gravidez. 🙁

A atenção aos detalhes! Na hora de pesquisar seu seguro viagem (ou solicitar orçamento) seja clara quanto ao estágio da sua gestação (alguns seguros só cobrem até as 28 semanas, outros vão até as 32!) Eu busco meus seguros na Seguros Promo que faz uma listagem dos seguros disponíveis nas maiores seguradoras do país apresentando os melhores custos benefícios, coberturas e seus respectivos preços. Uma mão na roda!

Vale falar que os seguro viagem para gestantes cobrem todas as eventualidades que podem ocorrer durante uma viagem, e ainda cobre umas coisinhas extra com vôos cancelados, mala extraviada, e aquela dança de vôo emergencial caso algo aconteça. O que nenhum seguro cobre é o caso de você voluntariamente desejar ter seu filho em outro país! (Aí são outros 500 né?!)

Outra vantagem bacana é que os seguros de viagem oferecidos pela Seguros Promo cobrem qualquer tipo de ocorrência no ato, e sem aquela história chata de pagar as despesas pra depois ter que correr atrás do reembolso. Faça aqui sua cotação e insira o cupom de desconto IDEIASNAMALA5 para ganhar 5% de desconto na compra do seu seguro de viagem.

Minha experiência viajando grávida

Uma coisa que estas duas gestações me ensinaram é que as experiências variam muito de mulher para mulher, e que cada gestação é diferente. Assim, pode ser que a minha experiência seja bem diferente da sua, mas acho que ainda assim vale a leitura.

No meu caso, duas gestações saudáveis e sem complicações, viajei tranquilamente de avião até as 32 semanas. Na verdade, durante a gravidez do Tom surgiu um convite para participar de uma Press trip na República Tcheca eu voltaria da viagem com 34 semanas. Consultei minha equipe médica que autorizou, olhei o site da KLM que permite a viagem, e só não fui (com MUITA dor no coração) por que o Gustavo ficou morrendo de medo. E como o filho não é só meu, agradeci o convite e recusei.

Primeiro trimestre

Tanto na gestação do Tom quanto na gestação do Caio viajei antes de completar três meses. A gravidez do Tom me pegou de sopetão, descobri que estava grávida três dias antes de embarcar para uma viagem de 6 semanas de degustação de vinhos e esqui na Europa. O resultado? Tive que trocar meus planos hiper em cima da hora!

Lucerna - Suíça

Grávida de poucas semanas em Lucerna, quem vê o sorriso da foto não imagina o tamanho das minhas nauseas.

O legal de viajar no primeiro trimestre, tirando os enjoos e o sono intenso, é que seu corpo estará igual. Nada de barriga pesando, ou tornando a viagem de avião ainda mais incomoda. Vale aproveitar!

Nem todo destino é ideal para gestantes

Aprendi da forma mais dura que nem toda viagem é apropriada para gestantes – definitivamente esqui e degustação e vinhos são dois belos exemplos de destinos a serem evitados :P. Mas por outro lado aproveitei estas semanas sozinhas pra refletir bastante sobre a gravidez recém começada e este serzinho lindo que em breve faria das nossas vidas e caminhar muito. (caminhar é ótimo para o bebê! Tem coisa melhor que caminhar em lugares maravilhosos?)

Roteiro Fernando de Noronha

Gu e eu na Baía dos Porcos em Fernando de Noronha

Praia: sempre uma boa pedida

Já na gestação do Caio, viajei para o Brasil e meus destinos foram Porto de Galinhas e Fernando de Noronha. E que delícia de escolha! Aproveitei a viagem para descansar bastante – exagerei no protetor porque grávida se queima e fica marcada hiper fácil – curtir a água do mar (que eu amo) e caminhar muito! Delícia de escolha!

Os desafios: Enjoos & Muito sono

O grande desafio de viajar no primeiro trimestre para mim foram os enjoos. Na gravidez do Tom, por pura falta de experiência, achei que não precisaria de remédios de enjoo e foi terrível! Nada parava no meu estômago, foi tão bizarro que eu precisava chupar limão na rua (juro que limão é uma benção pra enjoo de grávidas) e acabei voltando pra casa considerávelmente mais magra.

Na dúvida, eu se fosse você viajaria já com um remédio comprado. Se não precisar usar, melhor, mas se precisar o remédio estará com você.

Outro desafio é o cansaço. Produzir um bebê é uma tarefa árdua, cansativa e que consome suas energias de forma surreal. Some isso as energias que você costuma gastar numa viagem para entender que você possivelmente precisara diminuir seu ritmo e suas expectativas. Eu precisei!

[A boa notícia é que tanto o cansaço quanto os enjoos costumam diminuir (ou até sumir) no segundo trimestre! ]

Diminua seus ritmos e expectativas

Uma das lições mais duras que a gravidez me ensinou foi a redução do meu ritmo. Tem gente que sente menos mas para mim foi brutal como de um dia para o outro minha energia se esgotou, e eu me vi fazendo muito menos coisas. Conversando com amigas especialistas no assunto aprendi que a gravidez é um preparo para a maternidade, e que provavelmente este novo ritmo seria mais parecido com a minha nova vida após a chegada do baby. Elas acertaram em cheio! Levei uns 8 meses após o nascimento do Tom para me acostumar, e curtir meu novo ritmo.

Nas primeiras viagens grávida tive que reduzir bastante meu roteiro e dou risada de lembrar que várias vezes tive que voltar para o hotel no meio da tarde – algo antes impensável – para tirar aquele cochilo a tarde. Coincidentemente, agora com o Tom pequeno, volta e meia voltamos para o hotel depois do almoço para ele tirar uma soneca da tarde com qualidade. Em outras épocas chamaria estas voltas de “perda de tempo”, hoje chamo de investimento.

Aqui deixo a minha dica pra quem vai viajar no primeiro trimestre: você nunca sabe como seu corpo vai se comportar, assim monte um roteiro mais flexível e permita-se parar, respirar e descansar!

Segundo Trimestre

Nas minhas duas gestações aproveitei a vibe deliciosa do segundo trimestre (nada de enjoo, corpo levinho – a barriga ainda é pequena – e aquela energia linda da maternidade se aproximando) para fazer várias viagens bacanas. Na gestação do Tom fizemos uma Baby Moon no Havaí (que delícia de viagem, se você tiver a oportunidade de fazer algo romântico somente com seu marido, não pense duas vezes) e viagem pra Portland (um destino que estávamos loucos pra visitar). Na gestação do Caio aproveitei para fazer uma viagem sozinha com o Tom para o México e fiz Roadtrip pelo deserto da Califórnia.

Viajar grávida

Nós três, Gu, eu e baby Antonio na barriga durante a viagem a Portland

Há mulheres que ainda sentem bastante cansaço no segundo trimestre, eu confesso que tive sorte e bastante energia. Tanto que durante a viagem para o México não pensei meia vez antes de subir a pirâmide do sol com o Tom nas costas. Vocês acham mesmo que eu ia até o México e não ia subir na pirâmide? Impossível!

Pode viajar de avião grávida

Subindo as pirâmides com um bebê na barriga e outra nas costas

Os dias em que forcei um pouco o ritmo fiquei mais cansada a noite, e com um pouco de dor nas costas. Fora isso, e a barriga que começa a aparecer bem, não tenho do que reclamar! O segundo trimestre é de longe o mais fácil e confortável para viajar!

Terceiro Trimestre

Você chega num lugar e todo mundo olha para a sua barriga, os menos discretos perguntam “ainda te deixam voar assim?”, os engraçadinhos comentam “Não vai nascer no avião, né?! (minha resposta: um olhar 43 e o silêncio ha ha ha). No terceiro trimestre você provavelmente estará bem grávida, e quanto mais perto das 40 semanas maior é o peso e o desconforto no seu corpo. E sabe qual a parte mais chata de viajar assim? O avião!

Praias de Aruba

Tom, eu e Baby Caio brincando na areia em Aruba

O maior incomodo: o avião

Na minha última viagem para Aruba e Curaçao com 32 semanas de gestação a cadeira do avião incomodou a beça, levantei para ir ao banheiro muito mais vezes do que gostaria e ainda assim não deixaria de viajar por nada no mundo! Foi incrível passar quase duas semanas no Caribe e trocar o inverno californiano por um sol delicioso. O banho de mar lavou a minha alma, as ondas suavizaram a dor nas costas e pela última vez em muito tempo viajamos com apenas um bebê. De verdade, faria tudo de novo!

Cuidados antes da viagem

Como o último trimestre é o mais delicado comprei um voo com seguro – vai que na última hora a médica veta a viagem! e reservei hotéis com cancelamento (Booking.com Te amo!) Também tomei o cuidado de marcar uma consulta dois dias antes de voar para ter certeza que estava tudo tranquilo com o bebê e viajar tranquila e com o atestado em mãos.

Pra descansar

E claro, com 32 semanas de gestação evitei carregar a minha mala (ainda que o baby Tom pese bastante e eu precise levantar-lo, melhor não abusar, né?) e deixei todo o pedaço duro da viagem para o Gustavo. Deixamos o nosso roteiro meio que em aberto e fomos planejando as atividades a cada dia, sem pressa e sem medo de ser feliz. E foi tão bom que já quero voltar pra Aruba e Curaçao <3.

Mãe de dois: viajando grávida e com um bebê de 15 meses.

De todas as viagens da gravidez, a mais dura foi uma volta do Brasil sozinha com o Tom Tom, eu estava no finalzinho do segundo trimestre e amarguei com um vôo diurno e uma conexão em Miami. Sorte que consegui uma cadeira extra para ele em todos os vôos mais ainda assim foi dureza! Descrevi a experiência neste post

E aí, curtiu as dicas?

Conte pra nós como foi a sua experiência viajando grávida!

Veja também:

Gravidez:

Viajando com bebês:


Viaje sem stress

✅ Reserve seu hotel 

Faça seu seguro de viagens


Para ficar por dentro de todas as novidades do Ideias na Mala, siga nosso instagram!

About author

mari vidigal

Viajante incansável, daquele tipo que no meio de uma viagem já está pensando na próxima, na próxima e na próxima. Apaixonada por fotografia, natureza e vinhos

No comments

Veja também