Roteiro de 5 dias na Emília Romagna

Parma, Bolonha, Ravenna e até San Marino fazem parte deste delicioso roteiro de Roteiro de 5 dias na Emília Romagna, um roteiro completo para explorar o melhor da gastronomia italiana e cidades que são um verdadeiro charme. Pronto para se encantar?

5 dias na Emília Romagna

Roteiro resumido: 5 dias na Emília Romagna

  • Dia 1: Chegada em Bolonha
  • Dia 2: Parma
  • Dia 3: Bolonha
  • Dia 4: San Marino
  • Dia 5: Ravenna
  • Dia 6: Partida de Bolonha

Onde fica a Emilia Romagna

A Emília Romagna fica no norte da Itália, ao norte da Toscana e ao sul da Lombardia (Milão) e de Vêneto (Veneza), as três regiões mais visitadas pelos brasileiros, e quer saber? Taí uma bela pedida para sair do comum nos roteiros pela Itália sem desviar muito do eixo Milão – Veneza – Florença e Roma.

Seja para ficar uns 2 ou 3 dias, em uma parada entre Veneza e Florença, ou um pitstop de um dia em Bolonha (maior cidade da região) a Emilia Romagna merece entrar no seu roteiro. E para quem quer explorar a região a fundo – vá feliz porque vale a pena – montamos um roteiro de 5 dias na Emilia Romagna com os melhores destinos da região. Pronto para se apaixonar?

[googlemaps https://www.google.com/maps/embed?pb=!1m18!1m12!1m3!1d2918354.7563218484!2d8.733826878452076!3d44.413552368308224!2m3!1f0!2f0!3f0!3m2!1i1024!2i768!4f13.1!3m3!1m2!1s0x132ab57c46f385dd%3A0x1079b0bfcba7ca0!2zRW3DrWxpYS1Sb21hbmhhLCBJdMOhbGlh!5e0!3m2!1spt-BR!2sus!4v1547842301489&w=600&h=450]

Principais distâncias (Tomando Bolonha como referência)

  • Milão: 240 Km
  • Veneza: 156 Km
  • Florença: 107 Km
  • Roma: 376 Km

Onde ficar em Bolonha

Bolonha é a capital ea maior cidade da Emília Romagna, uma cidade surpreendente: pequena, jovem (tem uma das universidades mais tradicionais da Europa) e com uma gastronomia maravilhosa.  Bolonha está conectada com as principais cidades da Emilia Romagna por meio de trens e é, sem dúvida, a melhor base para explorar a região.

Já em Bolonha, a dica é ficar no Centro Histórico, nas redondezas da Piazza Maggiore, o centro da vida em Bolonha e onde estão as principais atrações turísticas da cidade. É nessa região que tudo acontece, é aqui que estão as principais lojas, bares, restaurantes e empórios, e aos domingos, algumas ruas são fechadas para o carros, deixando o centro ainda mais gostoso de ficar.

Dicas de hotéis e apartamentos em Bolonha

Se você é do tipo que prefere hotel, o centro de Bolonha tem algumas boas opções como o Best Western San Donato (há dois Best Westerns em Bolonha e o outro é mais afastado!), Corona d’Oro e Grand Hotel Majestic gia’ Baglioni.

Optamos por ficar em um apartamento. Uma das vantagens é poder comprar várias delícias italianos nos mercadinhos e poder comer em casa com calma e tranquilidade, com um bom vinho italiano. O Residence Le Porte e o Canton De Fiori tem apartamentos com localizações excelentes. 

Como se deslocar entre as cidades

Trem, trem e trem. A malha ferroviária da Emília Romagna é excelente e Bolonha tem saídas constantes para as principais cidades da região. O site da Trenitalia detalha todos os preços e horários, e não se preocupe em comprar com antecedência, basta chegar com aproximadamente vinte minutos de antecedência na estação de trem, comprar os bilhetes e embarcar!

Quando ir

A Emília Romagna é um destino para o ano inteiro, vale falar porém que o verão italiano (julho e agosto) costuma ser bem quente.

Como não é uma região muito explorada pelo turismo, não é superlotada como suas vizinhas Florença e Milão então dá encaixar a visita na alta temporada sem grandes perrengues.

E qual a melhor época do ano para visitar a Emilia Romagna?

As meias estações, entre Abril e Junho, e Setembro e Outubro, quando as temperaturas são mais amenas e agradáveis, e há menos turistas na região (e em toda a Itália).

Roteiro detalhado

Dia 1: Chegada em Bolonha

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna

Como chegar do aeroporto ao Centro de Bolonha

Quem vem de outros destinos da Itália geralmente chega de trem na estação central de Bolonha. Eu vim de Portugal e cheguei no aeroporto de Bolonha que fica a 9Km de distância do centro. O táxi até a Piazza Maggiore custa por volta de 15 euros, mas quem preferir pode pegar o Aerobus que passa a cada 11 minutos, para no centro de Bolonha e custa 6 Euros. O aeroporto é pequeno e bem sinalizado, e bem fácil de se virar.

Conheça o centrinho de Bolonha

Neste primeiro dia, a dica é explorar o Quadrilátero de Bolonha, que é o “centro do centro” da cidade. O Quadrilátero é a parte mais antiga de Bolonha e tem restaurantes, bares, um Eataly, e algumas lojas. Faça um passeio gostoso pelo quadrilátero e quando cansar, faça como os locais: tome um aperitivo!

Faça um aperitivo

Todos os dias por volta das 17:00 os bares servem comidinhas e entradas para quem provar os drinks da casa. O aperitivo em Bolonha é maravilhoso e vale cada dentada.

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna

Dia 2: Dia de explorar Bolonha

E já que estamos na terra da gastronomia, uma das coisas mais legais para fazer em Bolonha é colocar a mão na massa e aprender a fazer o verdadeiro ragu alla bolognese. Eu sou uma péssima cozinheira, mas fui extremamente feliz com as meninas do Le Cesarine. A aula é para grupos pequenos, e na casa da cozinheira, ela monta a estrutura na sala dela mesmo. Fiquei encantada, e me surpreendi com a minha própria comida.

Esse é um programa que dura a manhã inteira (cozinhar não é fácil) e você come o que preparou como almoço.

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna
Muito orgulhosa do meu prato! | Foto: Joanna Saldanha

De barriga cheia,  chegou a hora de queimar algumas calorias subindo a Torre de Bolonha. As torres de Garisenda e de Asinelli são os símbolos da cidade. Só é possível subir na Asinelli, são quase 500 degraus e vale todo o esforço. A torre de Garisenda é mais inclinada que a torre de Pisa, então fica fechada para o público. O ingresso é comprado online com hora marcada. E aqui eles levam a sério, um grupo só pode subir quando o outro desce, pois a escada é apertada.

Depois, é hora daquela parada esperta para um gelato para continuar pelo centro histórico. Testei, e aprovei vários gelatos, mas o meu preferido foi o da Cremeria la Vecchia Stalla, (Via Toscana, 90). Depois do sorvete siga para a Basílica de São Petrônio, uma das maiores igrejas o mundo, e que tem capacidade para até 20 mil pessoas (acho que ia ficar um pouco apertado e na real prefiro não estar lá dentro quando a igreja lotar). A basílica começou a ser construída 1390 e nunca terminou. Assim, vale reparar os detalhes da fachada inacabada e com 2 estilos arquitetônicos diferente. Depois disso vale entrar e dar um giro pelas suas 22 capelas. Ainda que você não curta tanto arquitetura ou arte sacra, a Basílica de São Petrônio é um clássico de Bolonha!

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna
Fonte de Netuno | Foto: Joanna Saldanha

Ao lado da Basílica está a Fonte de Netuno, um símbolo da cidade. A fonte foi construída em 1563, e representa poder do Papa, que na época comandava o mundo, assim como Netuno comandava os mares. No pé de Netuno há quatro anjos que representam os rios Ganges, Nilo, Amazonas e Danúbio. Infelizmente os anjos estavam em restauração durante a minha visita e não pude vê-los de perto. ,

Dia 3: Parma: Prepare-se para comer hiper bem!

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna
Parmigiano Regiano

Parma é o lugar para comer as melhores delícias italianas direto da fonte. A viagem de Bolonha para Parma dura aproximadamente 1 hora de trem, e a estação de Parma fica bem no centrão da cidade.

Como estávamos sem carro, optamos por fazer as visitas às fábricas locais com um tour guiado (quem preferir pode fazer tudo por conta própria, mas tenha em mente que você vai precisar de um carro!)

Encontramos com o nosso guia da Food Valley na estação de trem e fomos direto para uma fábrica de queijo Parmigiano Reggiano onde vimos todo o processo de produção do queijo, com um guia que nos explicou cada etapa da fabricação. A fábrica não é um lugar muito  turístico, tanto que nem tem lugar para degustação. Só experimentamos o queijo na vinícola familiar que fomos em seguida.

Veja também: O que fazer em Parma – um guia para explorar a cidade.

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna
Antica Corte Pallavicina | Foto: Joanna Saldanha

Depois do queijo, foi a vez de conhecer como é feito o famoso Presunto de Parma! Fomos na Antica Corte Pallavicina, um hotel/ restaurante que produz um dos melhores presuntos e culatellos do mundo. O processo não é tão “bonito” como o do queijo, as salas têm cheiros fortes. Porém, o final compensa tudo. A degustação é muito boa.

Vale falar que o Antica Corte é uma pedida excelente para quem quer fazer um almoço na cidade, o restaurante é lindo, e pelo que provamos no nosso tour, deve ser ótimo!

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna
Culatello em Parma | Foto: Joanna Saldanha

Se você prefere fazer passeios por conta própria, recomendo alugar um carro para esse dia em Parma. As fábricas e fazendas ficam mais distantes do centro, então o carro dá uma mobilidade melhor. As visitas podem ser agendadas online, no Consórcio Presunto de Parma e no de Parmigiano Reggiano.

De volta ao centro histórico de Parma, chegou a hora de explorar a cidade que me lembrou um pouco de Florença, só que um menor e mais vazia. Alguns dos principais atrativos turísticos de Parma (que por sinal também tem uma história bem interessante) são a catedral (Duomo), o batistério, e o o Pallazo della Pilotta (um conjunto de museus que abriga o lindíssimo Teatro Farnese). 

Topa comer mais um pouquinho? Nossa dica é o Pepèn (Borgo, Vicolo Sant’Ambrogio, 2), um barzinho pequeno que passaria despercebido, mas que serve comidas deliciosas!

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna
Piazza Duomo | Foto: Divulgação

Dia 4: San Marino: dia de visitar um dos menores países do mundo!

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna
Praça da Liberdade | Foto: Joanna Saldanha

Como chegar em San Marino?

Hoje é dia de atravessar fronteiras e conhecer um país novo: San Marino é um país rodeado pela Itália e um bate e volta delicioso a partir da Emilia Romana. Não há estações de trem em San Marino, e para chegar lá você precisará pegar um ônibus que sai de Rimini (cidade litorânea da Emilia Romagna). O ponto de ônibus é pertinho da estação de trem, e há plaquinhas e um centro de informações para te ajudar a achar o caminho. Os horários dos ônibus são sincronizados com a chegada dos trens e você pega um depois do outro.

E antes que eu me esqueça, muita gente opta por emendar uma visita em Rimini com San Marino. Caso essa seja a sua ideia, comece por San Marino – que na minha opinião é bem mais interessante – e deixe Rimini para o final do dia. Eu dediquei um dia inteiro a cada uma delas e não me arrependo.

Agora vamos mudar de país?

Não existe nenhum tipo de formalidade na fronteira de San Marino, e quando você menos percebe: Pluft, mudou de país.

A parte turística, e a mais bonita de San Marino, fica no topo do Monte Titano e você pode chegar lá de ônibus, ou de teleférico. Como não recuso vistas bonitas, fui de teleférico e não me arrependi, ver o país do alto e aos poucos ir se aproximando do Monte Titano é uma experiência bem especial.

E antes que eu me esqueça: veja aqui o roteiro de 1 dia em San Marino.

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna
Teleférico de San Marino | Foto: Joanna Saldanha

Um pedacinho de conto de fadas rodeado de Itália

A parte histórica de San Marino tem uma atmosfera de cidade medieval, parece até cena de conto de fadas. A melhor parte do passeio é explorar as ruelas, entrar nas lojinhas e de quando em quando esbarrar em um das muitas vistas espetaculares que se tem lá do alto.

Falando em vista, o ponto alto de San Marino são as Três Torres. Somente duas delas estão abertas à visitação, a primeira Torre é uma antiga prisão, e vale pela graça de entrar na torre, e a segunda é o museu das armas, que estava temporariamente fechado quando visitei o país. Para falar a verdade, achei o interior detalhe, o legal mesmo é a vista.

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna
Segunda Torre | Foto: Joanna Saldanha

Depois de se esbaldar com as vistas lindas, aproveite para carimbar seu passaporte no centro de visitantes (custa 5 euros, e é um detalhe bem legal de carregar no passaporte) e se você se animar, visite outros pontos turísticos como a Igreja de São Pedro (Basílica de San Marino), o Palácio Público, e a Praça da Liberdade.

Quer fechar este dia de maneira especial? Minha dica é assistir o pôr do sol da Praça da Liberdade: olha só que lindo!

Roteiro Emilia Romana

Dia 5: Ravenna e os mosaicos maravilhosos

Basílica de São Vital
Basílica de São Vital | Foto: Joanna Saldanha

O último bate e volta da Emília Romagna é Ravenna, a cidade dos mosaicos. Ravenna fica a uma hora de trem de Bolonha, e é uma das principais cidades históricas da região. Com oito monumentos tombados pela Unesco como Patrimônios Mundiais, achei Ravenna linda e repleta de história.

Começamos pela Basílica de Santo Apolinário em Classe e pelo Antico Porto de Classe que ficam mais distantes do centro histórico. A Basílica não me conquistou de primeira, mas o altar tem mosaicos lindíssimos, que fazem jus a fama de Ravenna. O Antico Porto, como o nome já diz é um porto usado no Império Romano e hoje convertido em parque. É um ponto turístico novíssimo, que o Escritório de Turismo de Ravenna ainda está desenvolvendo e aprimorando.

No centro de Ravenna, conhecemos a Basílica de Santo Apolinário Novo. Já deu pra perceber que Santo Apolinário é tão querido na região que ganhou duas basílicas na cidade, e em ambas o destaque são, lógico, os mosaicos que remontam cenas cristãs.

Perto da Basílica, fica o Museu de Arte de Ravenna onde vimos mosaicos contemporâneos. Também visitamos o ateliê do Luca Barberini, um artista local, que mostrou como é feita a arte em mosaico no dias de hoje.

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna
Mausoléu Gala Placidia | Foto: Joanna Saldanha

Deixamos o melhor para o final e fomos para o Mausoléu da Gala Plácidia e para a Basílica de São Vital, um do lado do outro. Enquanto a Basílica impressiona pela sua grandiosidade, o mausoléu é bem pequeno e não comporta nem dez pessoas em seu interior, a chance de ver os mosaicos bem de pertinho fez com que o mausoléu fosse a minha parada preferida na cidade.

Se você tem pique para ver mais mosaicos, ainda pode visitar o como o Batistério Ariano, o Mausoléu de Teodorico e a Capela Arquiepiscopal (todos listados como patrimônio da humanidade pela Unesco).

Veja aqui nosso roteiro de 1 dia em Ravenna

Dia 6: Partida de Bolonha – aproveite para passear mais pelo centro ou conhecer o FICO

Deixei o último dia meio livre para você passear um pouquinho mais pelo centro de Bolonha (que sim merece bem mais que um dia) ou se esbaldar no mundo das comilanças do FICO Eataly, uma chance interessante de ver o melhor da gastronomia da Emilia Romagna e de toda a Itália em um único lugar.

Eu optei por visitar o FICO Eataly, que é o maior parque gastronômico do mundo e achei uma ótima pedida para comprar algumas delícias para levar para casa, e comer tudo aquilo que sentiria saudades. Como o parque é gigantesco, fiz um tour guiado, e recomendo que você faça ou mesmo (o próprio Eataly oferece um montão de tours) ou pegue um mapa para escolher bem suas paradas.

E o que o FICO Eataly tem de legal? A chance de conhecer a cadeia produtora (com direito a fazendinha de animais, hortas produtoras, e restaurantes deliciosos) do começo ao fim. Há quem ache a coisa um pouco forçada, e sim,  não dá para negar que tudo aquilo foi criado para turista ver. Mas é tudo maravilhoso, bem explicado e delicioso!

Roteiro de 5 dias na Emília Romagna
FICO Eataly | Foto: Joanna Saldanha

Para chegar lá, pegue um ônibus que sai ao lado da estação de trem (e se você precisar, dá até para deixar as malas na estação, conhecer o Eataly e voltar para pegar o trem para ir embora.)

E vale a pena conhecer a Emilia Romana?

Voltei da Emilia Romagna com saudades! É um Itália bem diferente de Roma e Florença, onde tudo é mais cheio e movimentado. Cada cidade da Emilia Romagna tem o seu charme, e foi uma delícia explorar essa região! Espero com este Roteiro de 5 dias na Emília Romagna ter te convencido a explorar uma das regiões mais deliciosas da Itália.

E aí, curtiu nosso Roteiro de 5 dias na Emília Romagna?

A Joanna viajou pelo Blogville, uma experiência de 1 semana na Emilia Romagna.


Viaje sem stress

✅ Reserve seu hotel em Bolonha

✅ Alugue seu carro na Itália 

✅ Faça seu seguro de viagens 


Veja também:

Roteiros na Itália

EMILIA ROMAGNA

TOSCANA

ROMA

MILÃO

COSTA AMALFITANA

E para ficar por dentro de todas as novidades do Ideias na Mala, siga nosso instagram!

Planeje sua viagem

Comentários (2)

[…] nossa viagem à Emilia Romagna aprendemos que essa região é uma das mais importantes para a gastronomia italiana. É de lá que […]

[…] é a maior cidade Emilia Romagna, região da Itália que fica entre a Toscana e Lombardia (Milão), e sem exageros, um dos melhores […]

Deixe o seu comentário