Sydney: os segredos da Chinatown

1

 

Desembarcar na estação central de Sydney foi como abrir paginas de um álbum de fotos antigo, e tentar me lembrar “onde era mesmo aquele lugar”, só que dessa vez as fotos antigas foram se revelando aos poucos e conforme eu caminhava as imagens iam trucando minha memória.

A estação central de Sydney, é uma dessas estações bem grandes onde linhas de trem, metro, bonde e trem aéreo (Monorail) se encontram formando um grande labirinto de linhas e saídas. Conforme eu ia me perdendo e me achando no meio daquela loucura toda, ia tendo a sensação de “já passei por aqui”, e sim, há dez anos atrás eu já havia passado por lá.

A caminhada entre a estação central e a Chinatown leva uns 15 minutos e é relativamente bacana, pois passa por um área cheia de lojinhas chinesas, um grande mercado – o Paddy’s Market – e quase chegando lá uma curiosa escultura, com partes de um tronco de arvore douradas. A escultura chamada Golden Water Mouth foi criada em 1999 pelo meio Chinês meio Australiano Lin Li e visa atrair fortuna e energia positiva… bacana né?!

A rua principal da Chinatown é fechada para carros e tem dois portões chineses tradicionais um em cada ponta, com direito a leões de pedra para proteger a entrada. E como toda Chinatown que se preze é lotada de lojinhas e restaurantes para todos os tipos e bolsos.  Repare que varias das pequenas portas são entradas para mini galerias repletas de restaurantes e mais lojinhas.

Dei umas duas voltas na rua antes de escolher o lugar do meu almoço, e como nenhum das portas passava pelo meu teste: eu queria um lugar lotado de orientais, afinal queria comer comida chinesa de verdade. Comecei então a entrar e sair das pequenas galerias onde descobri o paraíso da comida chinesa. Um verdadeiro mar de chinesinhos disputando centímetro quadrado de uma praça de alimentação de nome indecifrável. Resultado:  gostoso e barato.

Na saída, como já era um pouquinho mais tarde a rua principal ficou mais cheia de gente – e mais lugares teriam passado no meu teste, mas acho que nada teria saído tão barato. Lamentei estar sozinha porque uma das graças de comida chinesa é pedir um montão de pratos e dividir tudo, e acabei tendo que me contentar com um só prato.

Na saída, fiz a melhor descoberta do dia, uma padaria chamada “Emperor’s Garden Cakes & Bakery” repleta de pães e bolos lindos. Mas a parte mais legal, fica numa portinha ao lado que vende um único tipo de doce o “Emperor’s Puf”, um bolinho doce recheado com creme que é uma delicia. Resolvi experimentar porque a fila tava enorme, e fila costuma ser um bom sinal para comida. O bolinho é feito na hora e sai tão quente que queimou minha língua, mas mesmo assim valeu a pena. Cada unidade custa 30 centavos. Como a galera da minha frente tava pedindo de dúzia resolvi garantir e pedi logo 6. Não me arrependi e deixo a dica! :0)

Na saída passei no mercado central – o Paddy’s Market – eu já havia visitado o lugar na minha ultima visita, mas não conseguia me lembrar exatamente onde era, e fiquei muito feliz em achar.

O Pads market é o melhor lugar para comprar lembrancinhas australianas e qualquer outro tipo de bugiganga barata. Imaginem um lugar que vende Koalas e cangurus de pelúcia a dois dólares (dos pequenos, claro) e camisetas de malha boa e bem estampadas a 7 dólares. Se você pechinchar fica ainda mais barato e tem bastante coisa legal.

 

Aproveitei para comprar todos os presentinhos que precisava e deixo a dica, levem dinheiro vivo, porque o cartão de créditos não vai servir!

 

Localize-se:

China Town

Metro: Central | Bonde: China Town

 

 

Paddy’s Market

http://www.paddysmarkets.com.au/history.html

Metro: Central | Bonde: China Town

Aberto de quarta a domingo das 09:00 as 17:00

About author

mari vidigal

Viajante incansável, daquele tipo que no meio de uma viagem já está pensando na próxima, na próxima e na próxima. Apaixonada por fotografia, natureza e vinhos

1 comment

Post a new comment

Veja também

Natural bridge - Rocky Mountains

Nova Zelândia ou Canadá?

Nova Zelândia ou Canadá? Sei que a pergunta parece estranha, mas foi esse o dilema que tomou conta desse último final de semana e virou ...