Finalmente em Viena

Viena tem para mim um gostinho especial, sonhava em conhecê-la desde os tempos que estudava Alemão no Colégio Porto Seguro e ouvi relatos apaixonados de uma professora querida, a vontade se tornou mais forte quando fiz uma amiga Austríaca num acampamento do CISV, ela me contou tanta coisa legal sobre a Austria e sobre Viena, e me deu tantas bolinhas de chocolate Mozart, que sem nunca ter pisado na Austria eu já era fã.

Intercâmbio na Europa e como Viena ficou de fora

Os anos foram passando e uns 10-12 anos depois chegou minha hora de finalmente conhecer a Europa, eu estava embarcando para um intercâmbio de 6 meses em Madri com a faculdade, e além de muita vontade de aprender a falar bem Espanhol, eu queria viajar pelo maior número de lugares possíveis.

Foram 6 meses de muito estudo, muitas viagens e o budget mais curto que já tive na vida (naquela época o Euro estava pra cima dos três reais, e não dava para fazer muita graça – #Qualquersemelhançacomosdiasatuaisémeracoincidência).

Como eu não conhecia nada da Europa e nem da Espanha, priorizei os destinos que eu podia conhecer de ônibus (Espanha e Portugal) e os que eu tinha casa de amigos (ou de amigo do amigo) para me hospedar, meu budget para viagens era de 100-150 Euros por mês, e hoje dou risada de lembrar dos milagres que fiz com essa verba (acho que esse é assunto para outro post, mas digo para vocês que os outros intercambistas ficavam bem impressionados como eu fazia essa verba render e viajava mais que muitos deles que tinham uma verba bem mais flexível que a minha).

Viajei para Londres e Sul da Inglaterra, Amsterdã e outras cidadezinhas da Holanda, Berlim e Hamburgo, Bruxelas e Brugges, Paris, Lisboa e várias cidades da Espanha. Viena que era o primeiro item da lista de desejos de viagem jamais coube no meu bolso.

Eu sabia que não precisava ter pressa pois a hora e a vez de Viena chegariam (só não sabia que ia demorar tanto).

Mari Vidigal
Primeira viagem para a Europa. Deitada nos gramados do Louvre em Paris e exausta de tanto caminhar 🙂

Depois dessa minha primeira experiência na Europa, tomei gosto pela coisa e comecei a viajar cada vez mais, as viagens para a Europa tornaram-se quase que anuais (Claro que o fato de me formar e começar a trabalhar em tempo integral ajudou bastante ;). Sempre que pintava uma oportunidade de viagem eu tentava encaixar Viena no roteiro, mas nunca encontrava o danado do vôo em promoção, e como eu não tinha (e não tenho pressa) para conhecer países da Europa acabava deixando passar e ia visitando outras cidades (repetindo minhas preferidas e conhecendo lugares novos). Fui pra tanto lugar bacana, mas ainda faltava conhecer Viena.

Casei, e juntos viemos morar na Califórnia para estudar. E adivinhe só a nacionalidade de um dos casais mais bacanas que conhecemos por aqui: Austríacos. E de Viena! Quando o MBA terminou, esse nosso casal de amigos austríacos voltou para Viena. Mais um motivo para eu finalmente tirar esse sonho do papel e finalmente visitar Viena, não?

E foi assim que no final do ano passado, finalmente coloquei Viena no meu roteiro de 6 semanas pela Europa dessa vez sem pensar na possibilidade de trocar os planos. O que eu não sabia é que por muito pouco – pouco mesmo – Viena quase me escaparia das mãos mais uma vez.

Passei mal durante a viagem e pensei em cancelar a última perna (Viena + Salzburgo + Munique) mais de uma vez. Não cancelei porque sabia que em Viena, além de tudo o que durante muitos anos sonhei em ver e viver – eu teria o conforto e a casa dos queridos amigos que estava morrendo de saudades!

Finalmente em Viena

Viena me recebeu com ares de poucos amigos e tempo cinzento. Depois de tantos anos de descaso Viena não ia simplesmente me perdoar e se mostrar com um solão. Após mais de 4 semanas de dias inacreditavelmente lindos para o inverno Europeu, parecia que mal tempo havia chegado para ficar e que a névoa esbranquiçada e intensa, seria a regra para o resto da viagem.

Finalmente em Viena
St Stephen’s Cathedral (ou catedral de São Estevão). Tudo indica que Viena não foi com a minha cara 😛

Meus amigos Austríacos estavam hiper felizes em me receber, mas um pouco chateados com a mudança repentina do tempo. Eu nem esquentei, frio e chuva são esperados de quem viaja pela Europa em Novembro e Dezembro, o jeito é se adaptar e aproveitar as atividades indoor e museus. Assim priorizei atividades indoor na minha lista do que fazer em Viena.

E na real, nem dava para reclamar, peguei um frio danado mas nem uma gotinha de chuva, até choveu de madrugada, mas nada que atrapalhasse meus passeios e andanças. Sim, tive que lidar com vento gelado e um frio cortante, mas a cidade é tão linda que pouco me importei. E na real, como não se apaixonar por uma cidade onde até banheiros públicos tocam ópera?

Finalmente em Viena
Mercadinho de natal em Vienna
Finalmente em Viena
Bebendo vinho quente com meus anfitriões Rebecca e Wolfgang – Dois fofos
Finalmente em Viena
Prefeitura de Vienna

Expectativas x Realidade

Eu tinha medo que os anos de espera elevassem as expectativas as alturas e as tornassem inatingíveis. Mas não foi o que aconteceu.

Viena me conquistou desde os primeiros instantes. Me encantei com a pompa do centrinho, com as tortas e bolos caprichados, com as construções antigas, com os palácios imponentes, com a graciosidade do Balé de Vienna, com os mercadinhos de natal regados a vinho quente, com os Schintzels e salsichas e com a arte coloridíssima de Gustav Klimt.

Finalmente em Viena
Palácio Belvedere

E conforme fomos ganhando intimidade, Viena foi me perdoando pelos anos de descaso e apresentando suas facetas e nuanças. Fui presenteada com um último dia de sol (e tive que mudar meus planos de bate-e-volta a Bratislava para finalmente passear pela cidade ensolarada.)

Aproveitei para bater muita perna, revisitar tudo o que pude e fotografar muito. Deixei Viena com saudades, e com vontade de voltar no verão.

Finalmente em Viena
Catedral de São Estevão em dia de sol! Viva!!!
Finalmente em Viena
E o dia tava tão lindo que aproveitei para subir! êh vistão!

Finalmente em Viena

E por que raios estou contando tudo isso?

Porque eu simplesmente não consegui escrever sobre Viena como se ela fosse mais uma cidade, e porque fiquei com vontade de dividir um pouco da emoção de visitar um lugar que há tempo sonhava em conhecer.

Finalmente em Viena
Um dos momentos mais hilários da viagem. O cavalo da cavalaria espanhola decide devorar um pedaço do cachecol da Rebecca

Acho que nunca contei pra vocês, mas tenho bastante dificuldade de começar a escrever sobre os lugares que amo (veja que meus posts de Kioto, por exemplo são limitadíssimos), e desde que voltei de viagem tenho tentado tirar Viena da cabeça e dividir dicas, passeios e claro, sensações e emoções com vocês. Talvez depois de expressar meu envolvimento com a cidade fique mais fácil contar sobre a viagem, bolar um roteirinho e começar uma série de posts bacanas. É o que espero!

Finalmente em Viena, e finalmente algo de Viena no Ideias na Mala!

Beijos

Mari Vidigal

A Mari viajou para Viena com o apoio do escritório de Turismo de Viena.

Veja também:

Planeje sua viagem

Comentários (9)

Cheguei aqui por causa da viagem pro Brasil com o Tom…meu neto tb é Tom e mora em Viena , cidade linda e que adoro. Acabei lendo ,adorando e aprovando 👏👏.

Quantas coincidências! E vc tbm é Mari!
Bem vinda e obrigada pelo carinho!

Se vc tiver instagram, me segue por lá tbm: @ideiasnamala
Beijos

Eu sonhei em visitar Vienna por causa do filme “Sissi”, fiquei super emocionada quando conheci o palacio. Tenho acompanhado os seus posts, esse foi uma narrativa super poetica que da para sentir suas emocoes pelas palavras! Adoro viajar tb e conhecer as culturas, muito legal seus relatos!

Obrigada pela visita e pelos elogios.
To aqui tentando fortemente colocar mais posts de Viena no ar 🙂
Beijos

Muito legal ! Já quero ir a Viena !

Deixe o seu comentário