Roteiro: 10 dias por Arraial d’Ajuda, Trancoso, Prado e Caraíva

É apaixonado por praias desertas e pouco turísticas? Então, esse roteiro é para você! Saindo da tradicional Costa do Descobrimento na Bahia, vamos passar por praias de Arraial D’Ajuda, Trancoso, Prado e Caraíva. Quer ainda mais emoção? Que tal 2 dias em Abrolhos?

Neste texto, vou contar todos os detalhes dos meus 10 dias pelo litoral sul baiano, te mostrar a melhor logística e ainda dar dicas de hospedagens e restaurantes. Vamos nessa?

Dividimos o nosso roteiro da seguinte forma (e, se preferir, basta clicar em cima de cada um dos itens abaixo para ir direto ao ponto):

Dia 1: Chegada em Porto Seguro e saída para Arraial D’Ajuda

Eu e o Bruno saímos de São Paulo às 18h em um voo direto para Porto Seguro. Por volta das 20h já havíamos desembarcado e fomos já direto retirar no próprio aeroporto o carro que alugamos. Para uma viagem dessas é imprescindível um carro e a dica é sempre ter antecedência nisso.

Para economizar e não cair em furadas a dica é já conferir os preços e fazer a reserva pelo Rentcars.com, um site que compara os preços das melhores locadoras e parcelar o valor em até 12 vezes sem juros.

De Porto Seguro para Arraial

O trajeto foi super rapidinho, cerca de 30 minutos, mas vale lembrar que para ir de um município para o outro é preciso pegar uma balsa – ela funciona 24 horas e sai de meia em meia hora (pegamos a das 21h). A travessia custa cerca de R$25 por carro e leva 10 minutos.

Em Arraial D’Ajuda nos hospedamos no Arraial Bangalô Praia Hotel, que fica pé na areia na Praia do Apaga Fogo (perto da balsa e afastada do centro).

Deixamos as malas no hotel e fomos para o centro de Arraial D’Ajuda jantar. Nessa primeira noite comemos um camarão na moranga no Varanda Mucugê (uma delícia, super indico!).

Dia 2: Arraial D’Ajuda

Primeiro dia, de fato, da viagem e decidimos ir conhecer as praias do sul de Arraial, em especial, Taípe. Com uma boa disposição, é possível fazer o seguinte trajeto: Praia do Patacho, Praia da Pitinga e Praia do Taípe.

Arraial D'Ajuda
Centro histórico de Arraial D’Ajuda

Começamos com uma parada no centro histórico de Arraial para fazer a clássica foto no mirante das fitinhas (a melhor opção é garantir o clique o mais cedo possível, assim você evita muitos turistas neste ponto).

Arraial D'Ajuda
Mirante das fitinhas

Praia de Taípe

Como a Taípe era a mais distante, decidimos começar por ela e a escolha foi certeira. Do centro de Arraial até a praia são cerca de 14 km, mas de estrada de terra, então o trajeto é longo.

A praia é uma delícia e tem um visual composto por rio, falésias e coqueiros. Típico da Bahia, né?

Arraial D'Ajuda
Taípe

A estrutura é bem pouca, então sugiro levar lanchinhos e bastante água. Nós passamos a manhã toda por lá e de todas as praias da viagem foi uma das que mais curtinhos.

No percurso de volta, decidimos parar na Praia da Pitinga e almoçar por lá. Escolhemos a Barraca do Faria para isso e foi bem gostoso. As cadeiras são super confortáveis e ficamos horas ali relaxando com a vista do mar e petiscando porções deliciosas.

Arraial D'Ajuda
Praia da Pitinga

Voltamos para o hotel e curtimos o fim da tarde na Praia do Apaga Fogo. Para o jantar, fomos no Armazém Santo Antônio e gostamos bastante do ambiente que estava com música ao vivo bem agradável!

Dia 3: Arraial D’Ajuda e saída para Trancoso

Dia de seguir viagem para Trancoso, mas antes disso decidimos caminhar pelas praias do norte de Arraial. Aqui, mais uma vez, com disposição é possível fazer o seguinte trajeto: Praia dos Pescadores, Praia do Araçaípe e Praia do Apaga Fogo.

Como as três praias são bem parecidas – e já estávamos na Praia do Apaga Fogo – decidimos ficar só nela mesmo. A dica aqui é observar a tábua da maré e ir para a Ponta do Apaga Fogo quando ela estiver bem baixa.

Arraial D'Ajuda
Ponta do Apaga-Fogo

Um banco de areia que se estende para o mar faz a divisão entre Arraial D’Ajuda e Porto Seguro. É bem bonito!

Trancoso

De Arraial para Trancoso são apenas 28 km, cerca de 40 minutos de carro. Chegamos lá por volta das 14h e decidimos ir curtir o quadrado de dia. Que graça de lugar!

Trancoso
Quadrado de Trancoso

Eu, que nunca tinha ido para Trancoso, tinha um certo preconceito e achava que o lugar era hypado demais, mas queimei a língua. Achei o lugar muito bonito, tranquilo e charmoso.. Passamos a tarde caminhando pelo centrinho.

Trancoso
Casinhas coloridas que foram o Quadrado de Trancoso

Fizemos uma almoço mais tarde no Delícia do Quadrado (e que delícia mesmo!) e à noite petiscamos e tomamos alguns drinks no Piquia Choperia e Restaurante que estava com música ao vivo e tinha uma caipirinha de tangerina maravilhosa!

Para a hospedagem, escolhemos a Oca Trancoso. Com uma localização mais do que excelente, o espaço é mega bem decorado e acolhedor. O café da manhã também merece palmas à parte. Vale muito a pena se hospedar na Oca! Eu adorei!

Dia 4: Trancoso

Acordamos cedo e dispostos para caminhar pelas Praias de Trancoso. Saindo da nossa pousada, descemos até a Praia dos Nativos. Dela, seguimos caminhamos pela areia passando pela Praia dos Coqueiros e Praia do Rio Verde.

Vou ser sincera e dizer que nem dá para perceber a mudança de praia. Eu que perguntava nos quiosques em qual estávamos… Mas vale a caminhada, principalmente pela manhã que as praias estão bem vazias. E, claro, todas são lindíssimas!

Trancoso
Uma das praias de Trancoso. Confesso que não sei identificar qual é, talvez a do Rio Verde

Nós caminhamos por quase toda orla e, na volta, decidimos ficar na Praia dos Nativos.

Na volta, ainda passamos na Praia Rio da Barra (que é a que dá para ver lá do alto do quadrado).

Ainda deu tempo de curtir a piscina na pousada, garantir umas fotos com a luz do pôr do sol no quadrado e comer uma Tapioca da Elma – parada imperdível, hein?

Dia 5: Trancoso e saída para Prado

Tomamos o café da manhã e fizemos o check out Oca Trancoso. Nos despedimos de Trancoso rumo à Prado, mas com uma parada bem especial: a Praia do Espelho.

Praia do Espelho

Pouco mais de 1 hora separam Trancoso do Espelho. Chegamos lá por volta das 10h e foi ótimo, pois pegamos a maré baixa e, consequentemente, muitas piscinas naturais.

Praia do Espelho
Na maré baixa, a Praia do Espelho ganha muitas piscinas naturais

Caminhamos por toda a praia, que estava bem vazia por sinal! Realmente, a praia faz jus ao seu título de uma das praias mais bonitas do Brasil. Do lado direito, atravessando o rio, a praia fica ainda mais vazia e é possível curtir o mar aproveitando a sombra de muitos coqueiros que tem por ali.

Praia do Espelho
Esse foi o meu cantinho preferido na Praia do Espelho

Passamos a manhã e o almoço por ali. Não vi nenhuma barraquinha ou vendedor por ali (talvez por ser baixa temporada) e, então, optamos pegar um Day Use no Maion Hotel e Boutique. De frente para o mar, o hotel cobra R$100 por pessoa (que reverte em consumação) para aproveitar a sua área de lazer que conta com mesas, cadeiras, redes e espreguiçadeiras. Achei demais!

Nós tomamos muita água de coco e almoçamos por ali, então a conta mais que fechou. Achei que foi um ótimo negócio – e, se tivéssemos tempo sobrando, teria passado o resto da tarde ali!

Saída para Prado

Depois do almoço saímos para Prado, cerca de 225km distante dali. Agora, atenção: tenha esse trajeto muito bem salvo contigo! Foram mais de 4 horas em uma estrada de terra, sem nenhuma sinalização e com nada de internet no celular. Ou seja, caos!

O caminho é bem ruim e você não vê uma alma viva… Anda, anda, anda e parece que não sai do lugar. Então, se for fazer esse trajeto, pesquise direitinho antes de sair do seu hotel e salve o mapa e o caminho no modo offline do seu celular.

Em Prados nos hospedamos na Pousada Guaratiba, uma pousada bem simples mas com um cuidado que ganhou o meu coração. Todos os funcionários foram muito simpáticos conosco e o café da manhã foi muito farto e preparado com muito cuidado individualmente. Super indico essa hospedagem também!

Beco das Garrafas

À noite fomos conhecer o famoso Beco das Garrafas, rua que concentra os restaurantes de Prado. Lá, nos indicaram dois restaurantes: o Banana da Terra e o Jubiabá.

Sem muitos porquês, optamos pelo Banana da Terra e escolhemos o prato tradicional deles: o Gabriela – camarão servido no purê de aipim e arroz de camarão com mix de castanhas e aromatizado com mel de cacau. Simplesmente divino! Melhor refeição da viagem!

Dia 6: Prado e saída para Caravelas

Acordamos cedinho para ir conhecer algumas praias especiais que tinha programado: a Barra do Cahy e a Japara Mirim. Elas ficam para cima de Prado, já passando por Cumuruxatiba, então uma opção para quem tem mais tempo (ou quer economizar percurso na estrada) é fazer a pernoite em Cumuru (já sou íntima, perceberam?) e não em Prado. A estrutura do município é ainda mais simples, mas fica a dica!

Saindo de Prado, optamos pela estrada que vai pela orla. É uma verdadeira aventura, muito sobe e desce nas falésias e, quando piscamos, estávamos com o carro na areia em uma das praias. É um caminho lindo, mas indico fazer se estiver com um carro alto! O legal dessa estrada é que você consegue ir vendo todas as praias – e, se gostar de alguma, é só parar o carro e descer!

Barra do Cahy

A Barra do Cahy ganhou o título de primeira praia do Brasil! Isso porque estudos feitos por pesquisadores e historiadores provaram que a praia é o local descrito na carta de Pero Vaz de Caminha em 1500. Demais, né?

Nós infelizmente pegamos o tempo bem fechado lá, mas pudemos caminhar pela praia – totalmente deserta – e sentir a energia do local. Mesmo com o céu cinza, é lindíssima!

Prado
Barra do Cahy

Lá tem apenas um restaurante, onde sentamos para tomar água de coco e curtir a brisa do mar.

Japara Mirim

Começamos o percurso de volta a Prado e paramos na Japara Mirim. A entrada pode passar batido pois a única placa que existe está pichada bem em cima do nome da praia. Como eu já havia salvo o mapa no celular (esquece a internet!), nós não deixamos passar.

A praia também estava totalmente deserta e, para a nossa surpresa, o céu limpou e o sol abriu! Que paraíso!

Prado
Japara Mirim ganhou meu coração!

Japara Mirim é relativamente pequena (até porque existe a praia Japara Grande) e as falésias com coqueiros deixam o cenário ainda mais lindo! Entrou na minha lista de praias mais bonitas que já conheci!

Saída para Caravelas

No fim da tarde, saímos de Prado rumo à Caravelas (52km, cerca de 1 hora) já que no dia seguinte embarcaríamos para Abrolhos! Ao invés de ter que madrugar para estar no porto de Caravelas às 07h, preferimos fazer a pernoite por lá.

Em Caravelas, escolhemos uma pousada bem simples ao lado da agência Horizonte Aberto, com quem fomos para Abrolhos.

Dia 7: Abrolhos

E, no meio desse roteiro pelo sul da Bahia, ainda conseguimos encaixar uma pernoite em Abrolhos. O arquipélago fica a cerca de 65 quilômetros da costa e é um Parque Nacional Marinho composto por cinco ilhas.

Arquipélago de Abrolhos
Arquipélago de Abrolhos visto do alto

Abrolhos é o maior banco de corais e mais importante berçário das baleias jubartes do Atlântico Sul, além disso possui os chapeirões, estruturas recifais que só são encontradas nesta região. Ah, vale ressaltar que não existe o desembarque nas ilhas do arquipélago.

Para conhecer Abrolhos, as agências realizam passeios que saem do porto de Caravelas. As opções são de bate e volta (não indico de jeito nenhum!) ou com pernoites, que variam de 2 (o que eu fiz) a 7 dias.

Abrolhos
Um dos nosso pontos de parada foi bem próximo da Ilha da Siriba. O visual era esse daí!

Neste outro post eu explico tudo sobre o Arquipélago de Abrolhos, com detalhes para entender e planejar uma viagem até lá.

Dia 8: Abrolhos e ida para Itamaraju

Nosso retorno para o porto de Caravelas foi por volta das 17h. Ficamos em Abrolhos até por volta das 14h, já que o percurso de navegação entre a ilha e a costa é por volta de 3 horas.

arquipélago de abrolhos
Eu e o Bruno ficamos apaixonados por Abrolhos e já queremos voltar!

Depois de Caravelas, nosso próximo destino é Caraíva, mas decidimos fazer uma pernoite em Itamaraju – município que fica no “meio dos dois”- para diminuir o tempo no carro na manhã seguinte.

A escolha foi certeira pois chegamos em Itamaraju por volta das 20h, dando tempo de relaxar e jantar tranquilos. Por lá, havíamos feito uma reserva na Pousada Vista da Pedra (nem vou colocar o link porque não indico de jeito maneira) há mais de um mês. Chegando, fomos informados que eles tinham visto o “calendário errado” e não tinham nenhum quarto disponível. Toda viagem tem que ter pelo menos um estresse, né? No fim, tivemos que bater na porta da pousada do lado, no Hotel Monte Pascoal, que nos atendeu bem e supriu nossas necessidades!

Dia 9: Caraíva

De Itamaraju até Caraíva foram 85 km em pouco mais de 2 horas, sim a estrada é bem chatinha! Saímos cedo para conseguir aproveitar o dia inteiro por lá, até porque era o local que eu mais queria conhecer. Infelizmente, foi onde pegamos chuva (por isso, muito do que planejamos não aconteceu).

Caraíva é uma vila bem pequenininha e toda de terra, então dá para conhecer fácil em um dia, mas o lugar é tão gracinha que merece muito mais tempo. Vou voltar para ficar no mínimo uma semana. Inclusive, muita gente faz um bate e volta para Caraíva saindo de Trancoso.

O carro fica do outro lado do rio e é necessário pegar um barquinho para atravessar (R$10 por pessoa), então uma mochilinha para facilitar o trajeto é a melhor opção. Nós deixamos as malas no carro e fomos cada uma. Foi a melhor coisa!

Caraíva
Chegada em Caraíva

O plano era ficar na Praia de Caraíva e ver o pôr do sol no rio. Fizemos isso (e foi ótimo), mas com uma leve garoa de vez em quando.

Caraíva
Praia de Caraíva

À tarde, fomos comer o famoso pastel do Boteco do Pará. O pastel de camarão com queijo cremoso é simplesmente divido (eles têm também o de arraia, mas eu não provei). É um lugar delícia para passar o fim da tarde!

Caraíva
Uma das paradas mais clássicas de Caraíva!
Caraíva
Vista do Boteco do Pará, que fica à beira do rio

Depois curtimos a pousada. Em Caraíva escolhemos a Pousada Lagoa, uma das mais antigas da vila. Eu amei a pousada! Suuuper espaçosa, ela tem apenas 7 quartos que são na verdade chalés distribuídos em um terreno enorme em volta de um lago. Raridade em Caraíva, hein? O café da manhã é incrível, o quarto uma delícia e a simpatia de todos os funcionários fora de série. Indico e quero voltar!

Caraíva
Nosso quartinho na Pousada Lagoa. Não é uma graça?

Jantamos na Cachaçaria, outro point bem famoso de lá. Eu comi um sanduíche de abobrinha grelhada com castanhas. Bem gostoso! É necessário reserva!

Ah, em tempos normais e sem pandemia, Caraíva à noite fica bem agitadinha muito por conta dos forrós. São dois: o Forró do Pelé e o Forró do Ouriço. Eles se revezam, cada dia um abre para não ter concorrência. Eu acabei não conhecendo nenhum dos dois, mas todos amam.

Dia 10: Caraíva

Acordamos com a chuva e, ainda assim, decidimos que faríamos o passeio combinado para o dia: ir conhecer Corumbau, outra vila que fica próxima de Caraíva. Para chegar lá, o passeio de buggy por pessoa custa R$100. O preço é tabelado entre a associação dos bugueiros – todos são índios Pataxós.

Corumbau

No caminho para Corumbau, o sol abriu e o dia foi lindo! Dizem que a mudança de tempo em Caraíva é super repentina, então não se acanhe com um céu mais nublado, viu? Você combina o horário que quer ir e que quer voltar com o seu bugueiro, pode ser apenas pela manhã ou o dia todo.

Corumbau
A felicidade da pessoa que percebeu que o sol estava saindo à caminho de Corumbau!

Nós saímos por volta das 10h pois queríamos pegar a maré baixa em Corumbau. O passeio é uma delícia. Nosso guia, o Acrício, é pataxó e foi nos contando sobre sua aldeia, mostrando os frutos que eles mais usam até chegar na orla das praias.

Corumbau
Um dos trechos mais conhecidos até chegar em Corumbau. Essa árvore caída está por lá há muito tempo e acabou virando parada de fotos!

O percurso dura 1 hora e chegando em Corumbau é necessário atravessar de barco outro rio e, de lá, caminhar uns 15 minutos até chegar na Ponta do Corumbau.

Corumbau
Praia de Corumbau

A praia é deliciosa e bem vazia! Ainda assim, tem diversos restaurantes para quem quer petiscar ou almoçar por lá mesmo.

Corumbau
As águas de Corumbau são super calminhas, uma delícia!

Nós curtimos a areia, o mar e depois caminhamos pela Ponta do Corumbau, um enorme banco de areia que “invade” o mar na maré baixa. Uma delícia de passeio, vale fazer! E ah, eu arrisco a dizer que Corumbau será a nova Caraíva daqui alguns anos.

 

Corumbau
Ponta do Corumbau
Ponta do Corumbau
Ponta do Corumbau vista do alto – é gigante!

À noite caiu uma chuva muito forte, então ficamos no impasse se saíamos para jantar ou não (lembram que falei que as ruas lá são de terra? Quando chove então… Esperamos um pouco e, no fim, jantamos no Biribiri, próximo da pousada. Foi bem gostoso, os pratos eram muito bem servidos e o atendimento excelente. Indico também!

Dia 11: Caraíva e saída para Porto Seguro

No planejamento inicial, nosso último dia em Caraíva seria dedicado para conhecer a Praia do Satu, mas a chuva se prolongou pela madrugada à dentro. Acordamos ainda com muita chuva, então tivemos que fazer uma decisão.

Caraíva
Deu tempo de garantir um clique com o drone para mostrar Caraíva do alto: de um lado, o mar, do outro, o rio!

A chuva não parava e isso começou a nos preocupar por conta da estrada, que era longa, complicada e toda de terra. Ficamos com medo e, como não havia previsão de melhora no tempo, optamos por ir embora mais cedo.

Mas, fica a dica: se estiver em Caraíva por dois ou três dias, vale incluir a Praia do Satu no roteiro. Ela fica a cerca de 4 km caminhando pela praia de Caraíva (a Praia do Satu fica entre a Praia do Espelho e a Caraíva). É praticamente intocada e não há infraestrutura, leve lanches e água!

Saímos de Caraíva rumo à Porto Seguro, cerca de duas horas de carro, de onde partiria o nosso voo de volta para São Paulo no dia seguinte.

Dica extra: de noite, já em Porto Seguro, fomos jantar no Casarão Adega Restô e fechamos com ele a viagem com chave de ouro. Eu comi um risoto divino e o Bruno uma lagosta que conquistou o título de melhor refeição da viagem (pra ele)!

Curtiu o nosso roteiro pelo sul da Bahia? Ficou com alguma dúvida ou tem alguma sugestão? Deixe nos comentários!


Veja também outros destinos no Brasil:

Nordeste

Fernando de Noronha

Rota das Emoções

Rio de Janeiro

Jalapão


Para ficar por dentro de todas as novidades do Ideias na Mala, siga nosso instagram!

Comments (17)

[…] Abrolhos: tudo sobre o Parque Nacional Marinho no sul da Bahia 3 1    Por Malu Pinheiro Brasil novembro 27, […]

Boa tarde Malu,

Primeiro, parabéns pelo blog – muito bem descrito, com linguagem simples e direta. Segundo, gostaria de saber alguns detalhes quanto à ida para Abrolhos: Como vocês fizeram com o carro alugado enquanto faziam o passeio “Live Aboard”? Deixaram em algum estacionamento específico de Caravelas? E também, seguindo essa mesma linha, vocês mantiveram o cadastro na pousada para deixar as malas ou fizeram check out e levaram tudo para o barco??

Obrigado pelas dicas, pretendo fazer um roteiro de viagem parecido com o descrito em Janeiro de 2022.

Até mais!!

Oi Arthur, tudo bem? Obrigada pelo comentário, fico feliz em ter ajudado. Nós dormimos uma noite em Caravelas, na véspera do passeio, e combinamos de deixar o carro na pousada enquanto estivéssemos no Live Aboard. Quando voltamos, passamos novamente na pousada apenas para pegar o carro. Deixamos as malas já dentro do carro também e fomos para Abrolhos apenas com uma mochila – mas acredito que não teria problema em deixar na pousada. Lá é muito tranquilo, então não vejo problemas em deixar o carro estacionado na rua, por exemplo. Uma ótima viagem!

[…] atrações da cidade (que não são poucas), é possível conhecer outros dois belos redutos como Arraial d’Ajuda e Trancoso, localizados a menos de 50 km de Porto […]

Olá…qto vc gastou mais ou menos nessa viagem? Existe outra opção que não dirigir até caraíva? Achei meio longe

Oi Flávia, tudo bem? Não tenho os valores ao certo, mas tudo depende do seu estilo de viagem. Existem transfers que te levam de Trancoso até Caraíva, sim! Beijo e boa viagem!

Amei as dicas e principalmente a ideia de passar uma noite em um barco haha voce tem mais informações de valores em que gastou no seu roteiro de 10 dias da bahia? Obrigada

Que legal que gostou Thayna, foi bem legal mesmo! Não tenho os valores ao certo, até porque depende muito do seu estilo de viagem e hospedagem – dá para todos os bolsos! O passeio até Abrolhos tem valor tabelado. Acredito que você encontre o valor atualizado no site das agências. Eu indico super a Horizonte Aberto. Foi uma experiência inesquecível!

Bom dia, tudo bem? Adorei todo o trajeto .. estou pensando em ir para lá e queria aproveitar ao máximo as praias. Fiquei na dúvida apenas se você fez tudo por conta mesmo ou se foi por meio de uma agência de viagens? Porque eu costumo fazer tudo por conta, pesquisar, procurar as pousadas e tal e gostei muito do seu roteiro, vou dar uma boa pesquisada em cima dele para pegar todas as informações .. mas fiquei só com essa duvida, se teve alguma agencia de viagens que organizou tudo para vocês. E alugaram um carro por lá então?

Oi Natália,
Fizemos tudo por conta própria! E o bom é que este post tem várias boas dicas para você!
Para o carro, vale a pena olhar neste link.
Abraços

Rogério Affonso Do Rego

Oi Malu. Tudo joia ? Gostei muito do roteiro, mas fiquei com receio.
Estou programando uma viagem agora pra julho com a família e gostaria de seguir exatamente seu roteiro, mas vc acha que consigo executar com 2 crianças (4 e 11) ?

Ah, quase esqueci… ficou show de bola o roteiro. Parabéns!!!!

Oi Rogério, tudo bem? Ih, cheguei tarde no seu comentário. A viagem rolou? Conta aqui pra gente como foi!

Sebastião Santos Silva da Bahia

PORTO SEGURO

Na travessia do oceano da vida
surgem ondas e tempestades.
Nós até remamos contra a maré,
mas há calmarias de felicidades.

Na viagem da vida
precisamos repousar.
Procure Porto Seguro,
que lhe garante encantar.

Suas praias são paradisíacas,
de água morna e transparente,
ornadas de matas e coqueiros
com falésia ou areia reluzente.

Porto Seguro é um paraíso
e o verão dura o ano inteiro.
O Sol não tem férias na Bahia,
Acolhendo gringo e brasileiro.

A natureza foi generosa
com tanta beleza no mar.
A cidade antiga é uma graça,
você precisa ver pra confirmar.

Autor: Sebastião Santos Silva da Bahia

E quando a gente acha o roteiro perfeito!!! e exatamente o que eu estava procurando! Obg parabéns pelo conteúdo.
me desculpe a pergunta, mas vocês lembram/podem/sabem… kkkk quanto gastaram em média para esses 10 dias de viagem? Estou fazendo um planejamento e queria saber quanto gastaria para 10 dias. Obrigada ^^

Que legal que gostou Juliana! Fico feliz e esse roteiro foi inesquecível mesmo! Sobre valores, é muito relativo porque depende do seu estilo de viagem e, principalmente, hospedagem. Eu, por exemplo, não sou de economizar MUITO quando viajo, então é difícil indicar valores. O passeio para Abrolhos é meio que tabelado, então não tem muito como fugir, de resto tudo é adaptável! Depois conta pra gente se a viagem rolou! Beijo 😉

JULIANA PORTO DE MORAES COELHO

Simplesmente SENSACIONAL. Sobre ABROLHOS, conseguiu ver as baleias ?

Oi Juliana! Infelizmente não =( Elas tem a temporada certinha de passar por ali e eu fui bem no final. As baleias têm chegado cada vez mais cedo, então se você for exclusivamente pelas baleias, aconselho se programar para o o início da temporada! Beijos 😉

Leave a comment