Vale do Loire: guia completo para explorar a região da França

0
Vale do Loire

A região do Vale do Loire, também conhecida como Jardim da França, é conhecida por seus castelos – são mais de 300 espalhados na margem do rio Loire – e, desde 2000, é reconhecida como Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Veja neste post um guia completo de como conhecer a região e dicas para aproveita-la ao máximo. Vamos nessa?

Vale do Loire: guia completo para explorar a região da França

A apenas 200km de Paris (cerca de 2h de carro), o Vale do Loire é a famosa região dos castelos Franceses com 800 quilômetros quadrados. A partir do século 15, o Vale do Loire passou a receber construções de castelos que valem a sua visita – tanto pela beleza quanto pelo valor histórico. Aqui, vamos te dar dicas de como explorar o Vale do Loire, qual cidade base escolher, os castelos mais imperdíveis para visitar e muito mais.

Clique nos itens acima para ir direto ao ponto. Se preferir, leia o post completo para se apaixonar (ainda mais) pela região!

Vale do Loire

Chenonceau e o Rio Cher – um dos cenários mais fotografados do Vale do Loire

Como explorar o Vale do Loire

A cerca de 2h de Paris, você pode chegar ao Vale do Loire de carro (em uma estrada boa e bem sinalizada), de trem ou em tours com agências que fazem bate e volta.

De carro

Para mim, a melhor forma de explorar o Vale do Loire é alugar um carro em Paris e fazer o trajeto por conta própria. Por lá, você pode usar ou não o carro – dá para fazer muita coisa caminhando ou de bicicleta. Ah, não precisa ter medo de ser atropelado, são quilômetros e quilômetros de ciclovias especialmente preparadas para viajantes esportistas.

Para quem vai alugar carro, minha dica é sempre conferir os preços no Rentcars.com, um site que compara os preços das melhores locadoras e te ajuda a escolher o melhor custo-benefício para a sua viagem. Outro diferencial da Rentcars é poder fazer o pagamento em Reais, sem IOF e parcelar em até 12 vezes sem juros. Vale dizer que recomendo o aluguel do carro para ir ao Vale do Loire, mas nada de ficar com o carro em Paris, hein?

Vale do Loire

Eu a a minha irmã Ana alugamos carro e percorremos toda a região. Foi delicioso

De trem

Quem não quer alugar um carro pode ainda fazer o trajeto em trem de Paris – Chambord (o trem sai da estação Gare d’Austerlitz e leva cerca de 2h) ou Paris – Chenonceau (esse trajeto parte da estação Gare Montparnasse e tem duração de 2h20). E, caso você queira visitar algum outro castelo de lá (o que eu sinceramente recomendo), recorrer a algum ônibus turístico.

Excursão

Se você tem o tempo curto e quer apenas fazer um bate volta ao Vale do Loire (que pena!), excursões que saem de Paris são válidas. Com cerca de U$ 172 por pessoa, e comprando antecipadamente, você conhecerá 2 castelos da região (Chambord e Chenonceau) e terá uma degustação de vinho por lá.

Se quiser um passeio um pouco mais completo (U$236), este percorre a Estrada dos Reis, visita os castelos de Chambord, Amboise e Chenonceau, tem parada para almoço em uma tradicional pousada e inclui também uma degustação de vinhos.

Entendendo as principais cidades do Vale do Loire

Para explorar o Vale do Loire da melhor forma, eu recomendo passar alguns dias por lá e aí ter algumas cidades ao redor como base para isso. Conhecida pela proximidade dos famosos castelos do Loire, Tours é uma cidade usada como ponto estratégico para explorar a região já que possui opções de hospedagem para todos os bolsos e gostos. Blois também é uma boa pedida, é uma das maiores cidade ao redor do Vale e é uma graça – além de estar relativamente próxima dos castelos Cheverny e Chambord.

Eu recomendo fortemente que você divida a sua hospedagem entre essas duas cidades e, logo abaixo, vou explicar um pouco mais sobre cada uma delas:

Tours: o que fazer e onde ficar

Tours é uma cidade universitária que fica entre os rios Cher e Loire, localização bem estratégica para explorar a região do Vale do Loire.

Place Du Grand Marche

Place Du Grand Marche: a pracinha central da cidade é o grande postal de Tours

Principais distâncias (a partir do centro de Tours)

  • Paris: 240 km
  • Chateau de Villandry: 17 km
  • Azay-le Rideau: 26 km
  • Amboise: 25 km
  • Chaumont-sur-Loire: 44 km
  • Blois: 66 km

Que castelos visitar a partir de Tours

Tours serve de base para explorar o Chateau de Villandry, Azay-le Rideau (eles ficam coladinhos um no outro), Amboise e Chaumont-sur-Loire.

Onde ficar em Tours

A cidade é super charmosa e tem hospedagens bacanas para todos os bolsos. Fizemos uma seleção de hotéis caprichados (com diárias acima de R$400), com bom custo benefício (diárias de cerca R$300) e, para dar um alívio no bolso, os econômicos (valores de no máximo R$200 a diária). Confira abaixo boas pedidas e escolha a sua!

Tours além dos castelos

Todos mundo fala dos castelos de Tours, mas muita gente esquece que a cidade é uma gracinha e que vale pelo menos algumas horas do seu roteiro. Se você viaja no verão, vale reservar o final de uma tarde para conhecer o centrinho da cidade.

O centrinho de Tours é relativamente pequeno, se estiver de carro estacione próximo a Catedral e comece seu passeio pelos seguintes pontos:

Museu de Belas Artes (Musée des Beaux-Arts de Tours)

Depois de tantos castelos, resolvemos não entrar no museu, mas passeamos pelo jardim que é lindinho e merece pelo menos uma meia hora, nem que seja para sentar e curtir o local. Destaque para o canteiro “mutante”, que a cada ano ganha um desenho diferente e quando fomos (para nossa sorte e felicidade) estava fantasiado de tulipa.

  • Endereço: 18, Place François Sicard
  • Horário de funcionamento: aberto das 09h às 12h45 e 14h às 18h
  • Ingresso: 6 Euros (para o museus) | Jardins gratuito
Tours

Musée des Beaux-Arts de Tours

Saint Gatien Cathedral

A imponente catedral que homenageia São Gatien foi o primeiro bispo de cidade de Tours. Ela começou a ser construída no século XII e teve sua maior parte construída no século XV, o que explica a grande influência gótica em sua arquitetura, e terminou durante o início do Renascimento. Vale a visita!

  • Endereço: Place de la Cathédrale, 37000 Tours
  • Horário de funcionamento: aberto das 08h30 às 20h
  • Ingresso: gratuito
Tours

Saint Gatien Cathedral

Château de Tours

Olhe de frente para a catedral e o castelo estará do seu lado esquerdo, às margens do Loire. Do outro lado da avenida há uma ponte fofa suspensa sobre o Loire que te levará a pequenas ilhotas no centro do rio. Se tiver com tempo sobrando, porq ue não atravessar? O castelo é pequeno e simples, nós resolvemos não entrar.

  • Endereço: 25 Avenue André Malraux, 37000 Tours
  • Horário de funcionamento: aberto das 14h às 18h
  • Ingresso: 4,20 Euros
Tours

Château de Tours

Place Du Grand Marche (Praça Grand Marche)

Para chegar lá siga reto pela Rue Colbert (travessa da Rua do Château) e caminhe uns dez minutinhos. Você passará por um montão de bares e bistrôs que valem a parada.

A praça lotada de casinha medievais é o grande cartão postal da cidade de Tours e vale pelo menos uma dúzia de boas fotos!

Conselho da Mari: fuja da furada

Chegando lá você verá uma creperia em uma dessas casinhas chamada “Le Lys d’Or”, foi lá que jantamos e tivemos uma das piores experiências do Vale do Loire. Minha teoria que o lugar mais famoso da cidade te oferece a mais cara e geralmente a pior comida da cidade foi novamente comprovada. Para completar a roubada, garçons mal educados e uma invasão de pássaros no prato. Ao menor sinal de descuido da comida, os atrevidos voam no prato, agarram o maior pedaço que conseguem e saem voando o mais rápido possível!

Le Grand Monstre

Em uma das ruazinhas que te leva a praça Du Grand Marché, há uma estátua de ferro de um grande monstro, esculpida pelo artista parisiense Xavier Veilhan em 2004. Há quem diga que o grande monstro ao invés de ameaçar, parece proteger com seus grandes braços. Vale a foto!

Dica extra: coma suspiros

Tours é conhecida por vender suspiros gigantescos, é só achar uma padoca e se deliciar. O suspiro é tão grande que um dá fácil para dividir por duas ou três pessoas!

Blois: o que fazer e onde ficar

A cidade de Blois é uma das maiores da região do Vale do Loire. Com cerca de 50 mil habitantes, por lá você terá uma boa estrutura e estará bem localizado. É aqui que fica um castelo super charmoso que vale a visita, o Château de Blois. Falarei mais dele logo logo.

Principais distâncias (a partir do centro de Blois)

  • Paris: 185 km
  • Chambord: 18 km
  • Cheverny: 16 km
  • Amboise: 36 km
  • Chaumont-sur-Loire: 18 km
  • Tours: 67 km

Que castelos visitar a partir de Blois

Blois é uma boa pedida para visitar os castelos Chambord, Cheverny e também o Amboise – e, claro o de Blois.

Onde ficar em Blois

A cidade de Blois também tem boas opções de hospedagens e para todos os bolsos. Abaixo, uma seleção de hotéis caprichados (diárias acima de R$500), com bom custo benefício (diárias entre R$300 e R$400) e econômicos (diárias até R$250):

Blois além dos castelos

Blois também tem algumas atrações para explorar além dos castelos. Aproveite uma manhã da sua estadia para conhecer alguns pontos da cidade:

Maison de la Magie Robert-Houdin

O museu fica em frente ao Castelo de Blois e é o único museu na Europa a apresentar coleções mágicas e entretenimento ao vivo permanente no mesmo local. Na entrada, um dragão de seis cabeças já chama a atenção.

  • Endereço: 1 Place du Château 41000, Blois
  • Horário de funcionamento: geralmente aberto das 10h às 18h30
  • Ingresso: 10 Euros

Basilica of Our Lady of the Trinity

A Basílica de Blois foi construída em 1934, é dedicada à santíssima trindade e possui vitrais lindos em seu interior.

  • Endereço: 10 Boulevard Carnot, 41000 Blois
  • Horário de funcionamento: aberto das 09h às 20h
  • Ingresso: gratuito

Castelos imperdíveis no Vale do Loire

Veja aqui os castelos mais imperdíveis para visitar no Vale do Loire:

Se preferir, clique em cima de cada um dele para ir direto ao ponto.

Castelos imperdíveis do Vale do Loire no Mapa:

Azay-le Rideau

vale do loire

Castelo de Azay | Foto: Divulgação (Léonard de Serres / CMN)

Vamos começar a nossa lista com um dos maiores símbolos da renascença no Vale do Loire. Azay-le Rideau está localizado em uma ilha, cercado pelo rio Indre. A paisagem, então, é digna de um filme de princesas. O castelo em si não é dos maiores, mas seu interior é repleto de detalhes renascentistas e quadros da época. Vale a visita!

Planeje sua visita:

Château de Villandry

Imagine o jardim da Alice no País das maravilhas. Imaginou? Flores que formam desenhos, um labirinto de arbustos, lago com cisnes, pinheiros em formato redondo e, para completar, um perfumadíssimo jardim de lavandas. Foi assim que nos sentimos nos jardins do Château de Villandry.

Vale do Loire

Château de Villandry: uma das minhas parada preferidas no Vale do Loire

Villandry foi o último dos grandes castelos do Vale do Loire a ser construído. Sua construção terminou em 1536 e, em 1906, o castelo foi salvo da destruição ao ser comprado por Joachim de Carvallo, responsável pela criação dos belíssimos jardins que tornam o castelo famoso. Aqui a entrada do castelo e do jardim são vendidas separadamente, eu visitei apenas os jardins e não me arrependo, ô lugar maravilhoso.

Vale do Loire

Rosas nos jardins de Villandry

Vale do Loire

E olha só que lindas estes arbustos desenhados

Chegamos no castelo dez minutos antes do fechamento e, como estavam rolando dois casamentos nos jardins, tivemos a sorte e a felicidade de pode entrar e ficar bastante.

De volta aos jardins, a cada passo que dávamos ficávamos mais bem impressionadas com o que vimos. É realmente muito lindo, uma parada obrigatória para quem visita a região do Loire.

Vale do Loire

Canteiros coloridos e hiper bem cuidados, um mais lindo que o outro

Planeje sua visita:

  • Château de Villandry (site oficial)
  • Horários de funcionamento: das 09h às 17h
  • Ingresso: 11 Euros

Chaumont-sur-Loire

Visto de fora, o Chaumont sur Loire é um dos castelos mais fotogênicos destas lista e olhe que estamos falando dos castelos mais lindo do Vale do Loire, hein? O formato à la castelo de princesa, com direito a um rio no fundo, cria um cenário de sonhos.

Vale do Loire

Chaumont-sur-Loire

Chaumont-sur-Loire foi construído por volta do ano 1000 para vigiar a fronteira entre os condados de Blois e Anjou. Foi Carlos II d’Amboise quem inaugurou o castelo ornamental no estilo renascentista.

O interior do castelo é mal sinalizado, um pouco difícil de visitar e com uma curadoria de um gosto um tanto quanto duvidoso. Prepare-se para se perder um pouco entre os aposentos e, em meio aos aposentos históricos, encontrar detalhes um tanto quanto mal feitos como alfaces de papel crepom. Chega a ser bizarro.

Para suprir os cômodos vazios, o castelo faz um série de exibições temporárias bem fracas. Mas cá entre nós, seria bem melhor deixar os aposentos vazios do que encher de porcaria, certo?

Vale do Loire

Um dos aposentos mais legais do Chaumont Sur Loire

Agora aos pontos positivos, né? O castelo tem cômodos lindos, como a sala de bilhar com o teto todo pintado com as iniciais reais. Além disso, tem o estábulo mais legal entre todos os castelos que visitamos, com algumas carruagens antigas em exposição e um bosque lindo com arvores altíssimas!

Vale do Loire

Estábulo do Chateau Chaumont-sur-Loire – Adorei este pedaço da visita

Festival de jardins do Chaumont – Imperdível

A fachada é linda e o interior é ok, mas quer saber o porquê inclui este castelo nesta lista seleta ? Pelo Festival Internacional de Jardins que acontece todos os anos de abril a novembro e é o máximo. O festival conta com dezenas de jardins feitos por diferentes artistas e usando alguns materiais diferentes – e claro, como não poderiam faltar, flores e flores!

Chateau Chaumont-sur-Loire

Flores de verdade com flores de metal, a combinação ficou um charme

Chateau Chaumont-sur-Loire

Cestos gigantes

O conceito do festival me lembrou muito algumas das instalações de Inhotim, uma mistura interessante de plantas com arte que é linda de viver!

Chateau Chaumont-sur-Loire

Túneis formados por plantas proporcionam experiências imersivas

Chateau Chaumont-sur-Loire

Instalação do International Garden Festival

O festival foi criado em 1992 e acontece desde então em todas as primaveras com jardins diferentes em exibição. Gostamos tanto que não conseguimos parar de tirar fotos!

Planeje sua visita:

  • Chaumont-sur-Loire (site oficial)
  • Horários de funcionamento: das 10h às 17h30
  • Ingresso: 18 Euros

Amboise

O castelo real de Amboise está localizado no alto de uma montanha, às margens do rio. Com essa pequena descrição dá fácil para entender o porquê da escolha do local para a construção do castelo em épocas antigas. Hoje, a altura privilegiada garante aos visitantes uma vista panorâmica do Vale do Loire.

Vale do Loire

Cidade de Amboise e o castelo no alto – a chegada é bem especial

Você vai descobrir que, além dos bonitos castelos, uma das graças do Vale do Loire é passear pelas ruas pequeninas das cidades fofas, sentar nos cafés e beliscar algo. Assim, tomamos nosso café da manhã em um lugarzinho fofo chamado Bigot Patisserie (2 Rue nationale, 37400 Amboise), bem na frente do castelo. Achei tão fofo e tava tudo tão gostoso que queria muito ter voltado e almoçado ali, mas tínhamos tantas coisas para fazer que acabou sendo inviável. Não deixe de passar lá e provar um dos deliciosos pães!

 Amboise

Vitrine maravilhosa da Bigot

Feito nosso reconhecimento inicial da pequena vila, subimos a grande rampa e entramos no castelo. Seguimos o caminho indicado no panfleto que ganhamos na entrada – em português, viva – e nossa primeira parada foi na mini capela de São Humberto. Destaque para a maravilhosa porta, as gárgulas e o túmulo de Leonardo Da Vinci – que residiu muitos anos na cidade de Amboise do Château Le Clos Luce e pediu que seus restos mortais ficassem enterrados no Castelo de Amboise.

Vale do Loire

Capela de São Humberto onde Leonardo Da Vinci está enterrado

Amboise

E olha só a cidade de Amboise vista do alto do Castelo. Lindo, não?

Depois disso entramos no castelo e visitamos os aposentos. Destaque para os Vitrais de Flor de Liz, a vista do alto das varandas, a Sala do Conselho com suas bonitas colunas ornamentadas e uma lareira em cada extremidade e os vermelhos aposentos de Luís Filipe.

O jardim – apesar de pequenino – também vale o passeio e proporciona oportunidades fotográficas bem interessantes do castelo.

Amboise

Château d’Amboise visto do jardim

Para fechar o dia, caminhamos pela cidadela até chegar no Le Clos Luce (fica a menos de 1 km) onde tiramos umas fotinhos na porta. O Le Clos Luce – conhecido antigamente como Cloux – é um solar situado bem próximo do castelo de Amboise. Foi ali que Da Vinci, à convite de François I, viveu seus três últimos anos de vida se dedicando às suas invenções. Hoje, o Le Clos Luce é um parque cultural bem interessante para mergulhar na história e no universo de Da Vinci.

Planeje sua visita:

Chenonceau

Chenonceau, um dos mais famosos castelos do Loire, definitivamente não conquistou sua fama à toa. O bonito castelo às margens do Rio Cher tem todos os atributos importantes para encantar os visitantes: jardins incríveis, um interior super bem decorado e preservado, a elegante fachada renascentista do século XVI de frente para o rio, uma vila hiper fofa para funcionários com uma das hortas mais legais que já visitei e labirinto bacana! Uma visita que entrega tudo o que um castelo do Vale do Loire deveria entregar!

Vale do Loire

Chenonceau visto dos jardins.

Depois de tantos elogios, acho que posso fazer minha única ressalva, né?! A quantidade de turistas. Então, minha principal dica para aproveitar sua visita ao máximo é: chegue cedo! De preferência, um pouco antes do castelo abrir. E, para não ficar horas na fila, não preciso nem dizer que ingressos antecipados são mais do que bem vindos, preciso? Pelo Get Your Guide, você garante sua entrada antecipada pelo mesmo valor da bilheteria local.

Os jardins de Chenonceau

Deixando a multidão de lado, a visita começa por uma floresta linda antes de chegar aos famosos jardins. Em seguida você poderá escolher ente entrar no castelo ou passear pelos jardins. Nós começamos pelos jardins – com parada demorada no labirinto e passeio caprichado pelos jardins laterais: o Jardim de Diana de Poitiers (de frente para o castelo à esquerda) e o jardim de Catarina de Médices.

Vale do Loire

Floresta na entrada do castelo, achei muito especial!

Pegue o folheto de explicações

Na entrada, não deixe de pegar o livrinho – tem em português – que explica detalhadamente cada um dos aposentos e as obras de arte nele contidos. Se estiver com muita preguiça de ler, não deixe de reparar algumas coisas bem legais como o teto de vários aposentos que tem as iniciais dos nobres entrelaçadas. As letras “C” são de Catarina de Médicis, “D” é de Diana de Poitiers, “H” é de Henrique II.

Chenonceau

Um dos aposentos do Chenonceau

Nos andares de cima, destaque para o aposento vermelho de César Vendôme, o quarto de Luísa Lorena, o vestíbulo do segundo andar com o teto todinho ornamentado e o as obras de arte de Tintoretto e Van Dyck no gabinete verde, um Correggio na biblioteca e pinturas de Ribera e Van Loo (esse foi o que mais gostei). Além disso o salão de Luis XIV e o quarto das cinco rainhas tem pinturas de Rubens.

Cômodos que merecem uma atenção especial são a cozinha (toda produzida com utensílios da época), a capela ornamentada e a galeria, que na primavera e no verão fica de portas abertas para quem quiser passar para o outro lado do Rio e fotografar o castelo refletido nas águas do Rio Cher (Foto da capa deste post).

Durante a Primeira Guerra Mundial, o castelo serviu de hospital para combatentes feridos (a galera marcava então a divisa entre a zona ocupada e a zona livre) e para atravessar pessoas de um lado para o outro. Do outro lado, combatentes alemães estavam prontos para destruir o castelo ao menor sinal de perigo.

Chenonceau

Terminamos a visita passeando e fotografando flores e flores na horta. Detalhes do livrinho: a horta tem mais de 400 roseiras e 20 espécies diferentes de tomate e pimentões – isso dá uma bela salada, não?! O pé de alcachofra é uma das coisas mais fofas que já vi!

Vale do Loire

Roseira carregada na horta do Chenonceau

Vale do Loire

E olha só que graça este pé de alcachofra

É no Chenonceau também que está um dos passeios mais famosos da região – um barco que percorre o rio Cher e passa abaixo dos arcos do castelo. O passeio tem duração de 50 minutos e custa cerca de U$ 12 por pessoa.

Planeje sua visita:

Blois

O castelo de Blois merece entrar na sua lista de visitação. Aqui, também há hortas e plantações que deixam o cenário mais lindo e com um toque campestre. O interior do castelo é bem luxuoso e vale conhecer os aposentos de Catarina de Médicis e a ala Luís XIII, onde estão dois museus (o Museu de Artes Decorativas e o Museu de Arqueologia).

Vale do Loire

Castelo de Blois | Foto: Divulgação

Planeje sua visita:

  • Château de Blois (site oficial)
  • Horários de funcionamento: das 09h às 17h30 (varia conforme a estação do ano)
  • Ingresso: 9,50 Euros

Chambord

Chambord é de longe o maior e o mais imponente castelo que visitamos. Lá tudo é gigantesco. O castelo fica dentro de uma bonita reserva florestal onde podem ser avistados vários animais selvagens – tem um passeio para quem quer fazer isso, com direito a guia e 4X4. O enorme gramado que rodeia o castelo é super convidativo aos adeptos do piquenique!

Vale do Loire

Chambord

Aqui, vale destacar a escadaria em dupla-hélice no interior do Castelo. Sem nenhum tipo de elevador, a construção do século XVI, possui um item incrível de arquitetura para ir de um andar para o outro. A Escadaria de Chambord é obra de Leonardo da Vinci e tem um detalhe incrível: quem olha de fora observa duas hélices que formam uma escada só, mas quem sobe os degraus diz que não é possível encontrar outra pessoa que suba no mesmo ritmo.

Planeje sua visita:

  • Chambord (site oficial)
  • Horários de funcionamento: de março a outubro das 09h às 18h e de outubro a março das 09h às 17h
  • Ingresso: 14,50 Euros | Estacionamento: 4 Euros

Cheverny

Essa foi a segunda visita da Ana, minha irmã, à Cheverny e logo de cara entendi porque ela me disse tantas vezes que esse era um castelo que ela não se importava em repetir, aliás, muito pelo contrário, ela até gostaria de repetir. E, hoje concordo plenamente com ela, Cheverny é um desses lugares que valem uma segunda visita.

Cheverny

Cheverny o Castelo do desenho Tintim

Começamos nossa visita pela bonita horta e pela segunda vez no mesmo dia me vi tirando mais algumas dezenas de fotos de flores, legumes e outros tipos de planta.

Cheverny

Horta sensacional de Cheverny

Cheverny

Jardins de Cheverny

Demos uma rápida passada no canil de cachorros de caça (eles são bonitos, fedidos e estavam com uma carinha tristonha).

Cheverny

Canil de Cheverny

Museu Tintim

Nossa próxima parada foi no Museu Tintin. Para quem assistiu o desenho quando pequeno – passava na TV cultura, lembram? – eu diria que é imperdível. Cheverny foi um dos lugares que inspirou Hergé, o autor, a criar os quadrinhos de Tintin. Fiquei pasma em saber que o personagem foi criado a 80 anos atrás e é tão atual!

Cheverny

Desenhos originais de Tintim

Voltando ao museu, destaque aos gibis desenhados à mão, os cenários perfeitinhos do desenho e, lá no finalzinho do museu, a foto das pessoas que inspiraram cada personagem. Foi muito legal!

O interior do castelo de Cheverny

A visita ao castelo Cheverny começa pela bonita fachada. Diferente dos outros castelos que visitamos, Cheverny ainda serve de residência para uma família e portanto somente metade do castelo está aberta para visitação. Deve ser meio surreal morar em lugar desses e ter seu jardim diariamente invadido por milhares de turistas, né?

Essa família é dona do castelo há seis séculos – tiveram dois períodos que o castelo foi vendido a terceiros e posteriormente recomprado pela família. O castelo escapou intacto das guerras e da revolução francesa. Portanto, tanto a parte interna quanto a externa estão entre as mais bem preservadas que visitamos.

Mas, se a parte de fora já é um show, o interior de Cheverny é tão bonito quanto a parte externa. Alguns detalhes que merecem atenção são as esculturas da escada de Honra, o teto lindamente pintado de todas as salas, a biblioteca, o quarto do rei e os fofíssimos apartamentos privados. Gostei muito e recomendo super a visita!

Planeje sua visita:

  • Cheverny (site oficial)
  • Horários de funcionamento: das 10h às 17h (varia conforme a estação do ano)
  • Ingresso: 12 Euros

Roteiro de 2, 3 ou 4 dias pelo Vale do Loire

Essa é uma viagem que pode ser começada em Paris ou em algum outro destino bacana da França – como por exemplo Bordeaux. Nós começamos em Bordeaux e fomos subindo rumo à Paris.

Para quem saí de Paris minha dica é começar pelos castelo mais distantes, para isso você terá que percorrer um trajeto inicial de 267 Km (pouco mais de 2 horas e meia de carro).

Chambord

Imenso e maravilhoso, Chambord é um dos castelos não não pode faltar na sua lista

Roteiro de 4 dias no Vale do Loire

Se você tem 4 dias e disposição para visitar 8 castelos diferentes, este é o meu roteiro perfeito, sem correria e com tempo para curtir os castelos sem pressa.

  • Dia 1: Azay Le Rideau e Jardins de Villandry – Final da tarde passeando pelas ruas de Tours
  • Dia 2: Chenonceau e Amboise
  • Dia 3: Chaumont-sur Loire e Blois
  • Dia 4: Cheverny e Chambord

Algumas dicas para aproveitar seus 4 dias no Vale do Loire:

  • Durma duas noites em Tours e 2 em Blois;
  • Chaumont-sur Loire: o castelo é lindo por fora, mas só acho que a visita vale realmente a pena durante o festival Internacional de Jardins;
  • Chenonceau e Chambord são os castelos mais disputados do Vale do Loire, compre ingressos com antecedência para não amargar na fila;
  • Explore as cidades da região. Tours, Blois e Ambise estão cheias de cafés gostosos e cantinhos fofos que vão tornar seu roteiro ultra especial;
Château de Villandry

Jardins perfeitinhos do Château de Villandry

Roteiro de 3 dias no Vale do Loire

Com dois dias você terá que fazer algumas escolhas e, ao menos que tope fazer uma maratona louca de castelos, o que acaba ficando cansativo, vale eliminar 1 ou 2 castelos do roteiro. Eu faria o seguinte:

  • Dia 1: Jardins de Villandry  + Amboise
  • Dia 2: Chenonceau e Chaumont-sur Loire (durante o festival dos jardins, caso contrário, Blois)
  • Dia 3: Cheverny e Chambord

Eu dormiria a primeira noite em Tours e as duas últimas em Blois. Algumas dicas do roteiro de 4 dias também servem para você! Não deixe de ler.

Vale do Loire

Bandeirolas em Amboise

Roteiro de 2 dias no Vale do Loire

Dois dias é apertado, é cansativo, mas dá para fazer. Aqui escolheremos apenas os principais castelos e dormiremos uma noite em cada cidade (isso se você tiver duas noites, caso contrário dá para tocar para Paris no final do segundo dia). Ingressos antecipados para os castelos são essenciais para quem só tem dois dias (não rola perder tempo na fila, né?!).

  • Dia 1: Chenonceau (saia bem cedo de Paris) + Jardins de Villandry – Final da tarde em Tours
  • Dia 2: Amboise, Cheverny e Chambord

Note que deixei três castelos para o segundo dia, o que é um pouco corrido. Se você prefere um ritmo mais relaxado, pule Amboise e vá direto para Cheverny.

O que combinar com o Vale do Loire

Quem tem tempo para desvendar mais cantinhos da França – o que eu recomendo muito – pode combinar esta viagem com alguns destinos que eu amo:

Bordeaux: uma cidade universitária deliciosa mundialmente conhecida por seus vinhos. A região é o máximo e a vizinha Saint-Émilion merece 1 dia do seu roteiro;

La Rochelle: uma cidade murada fofa com duas torre lindas, construções medievais e um super aquário. O passeio de 1 dia em La Rochelle é pura poesia e vale cada segundinho;

Nantes: uma cidade grande (a sexta maior cidade francesa) e cheia de coisas interessantes para ver e fazer. Tem um castelo fotogênico, uma catedral caprichada e o museu de Julio Vernes;

Obrigatório: seguro viagem

Um item obrigatório para quem viaja para a Europa é o seguro viagem – aliás, eu diria que para qualquer destino. Então, escolha o seu direitinho e tenha sempre em mãos uma cópia (eles podem pedir na imigração e ter a versão impressa te poupará de uma dor de cabeça). Além disso, um bom seguro viagem cobre malas extraviadas, voos cancelados e, claro, eventualidades médicas que possam acontecer – imprevistos podem existir, né?

Por aqui, indicamos o Seguros Promo – uma empresa brasileira que funciona como uma espécie de comparador de seguros. Eles buscam os melhores valores e opções do mercado e aí, depois, a escolha fica por sua conta (te poupando um tempão de pesquisa). Faça já sua cotação e insira o cupom de desconto IDEIASNAMALA5 para ganhar 5% de desconto na compra do seu seguro de viagem.

E aí, curtiu nossas dicas para explorar o Vale do Loire?


Viaje sem stress

✅ Reserve seu hotel em Paris 

✅ Faça seu seguro de viagens 

Veja também:


Para ficar por dentro de todas as novidades do Ideias na Mala, siga nosso instagram!



SOBRE O AUTOR

mari vidigal

Viajante incansável, daquele tipo que no meio de uma viagem já está pensando na próxima, na próxima e na próxima. Apaixonada por fotografia, natureza e vinhos

No comments

Veja também